F1 2013: GP do Brasil

Em uma prova tensa, Vettel vence com sobras mais uma vez. Webber, Perez e Massa se despedem de suas equipes com boas corridas: o primeiro com pódio, o segundo com uma escalada fenomenal e o terceiro com uma boa prova, atrapalhada por uma punição besta, mas justa.

Climão de fim de festa. Assim Interlagos recebeu a última prova da temporada 2013. A chuva torrencial da classificação não foi convidada para o início, mas ameaçava aparecer de surpresa durante do Grande Prêmio. Não veio com força, para a tristeza de todo mundo.

Começo eletrizante! Surpresa na largada! Rosberg acelerou mais que Vettel e ultrapassou o alemão. Segurou uma volta inteira, mas sua Mercedes não foi párea para a Red Bull.  Alonso perdeu posição para Hamilton na primeira curva, recuperando na segunda volta. Massa passou alguns carros também, posicionando-se bem.

Grosjean não durou as duas voltas. O motor fumou e o Ministério do Automobilismo adverte: fumar pode causar abandono de corrida. Au revoir, monsieur!

Mais para a metade da prova, uma briga interessante: Hamilton tentava passar Massa e andou por um bom tempo atrás do brasileiro. Chegaram a travar rodas no fim da reta dos boxes, complicando a tangência para o S do Senna. Show de pilotagem.

No auge da briga, os comissários viram a Ferrari  do brasileiro cruzando uma faixa branca na entrada dos boxes, algo proibido. Ao ser avisado pelo engenheiro, Massa ficou um tanto quanto revoltado. “Incrível! Inacreditável!” bradou pelo rádio. Sim, a regra é estúpida, mas que ele passou, passou. Drive-through

punição

Não pode cruzar a faixa branca com as 4 rodas após aquele “gap” na faixa contínua. Tá bem claro, não?

Bottas tentou ultrapassar Hamilton por fora e as rodas se acertaram. Os dois pneus furaram. Pior para a Williams que parou na área de escape, com a suspensão torta. Hamilton ainda conseguiu levar a Mercedes de volta, mas a corrida ficou comprometida. Se já estava ruim, o drive through para o inglês tornou tudo ainda pior. E o cara de pau ainda pergunta o que foi que ele fez… É um brincalhão, mesmo.

Congestionamento no box da Red Bull (!). Os mecânicos engasgaram na troca de Vettel e Webber ficou esperando. E na vez dele, ficou parado mesmo. Leve indecisão sobre qual pneu usar, já que o tempo fechava cada vez mais. Em São Paulo, ficar parado é obrigação. Fontes asseguram que ele recebeu panfleto de algum empreendimento imobiliário nesse meio tempo.

E por falar nele, SEBASTIAN VETTEL! 9 vitórias consecutivas, 13 vitórias na temporada! Um mito construído nas manhãs de domingo, diante dos nossos olhos, pelos últimos 5 anos. E por quantos anos mais?

MARK WEBBER! Pódio esperto e merecido na sua despedida da F1. Andou sem luvas e capacete por uma volta, cara ao vento, após a corrida. Cena fantástica!

webber

O adeus do Canguru. Mas deixe os anéis de cebola, por favor…

FERNANDO ALONSO, o melhor entre os mortais! Sempre tirando mais do que sua Ferrari oferecia. Ano frustrantes mais pelo que poderia te sido do que pelo que foi de fato.

Destaque para a ressurreição da McLaren. Button largou em 14º e chegou na 4ª posição. Perez terminou em 6º, ganhando 13 posições. Essa é a equipe que eu conheço!

Massa dá adeus a Ferrari com um 7º lugar. Que a Williams seja uma casa confortável e faça um carro minimamente decente.

O campeonato de pilotos terminou assim: VET (397 pts), ALO (242 pts), WEB (199 pts), HAM (189 pts), RAI (183 pts), ROS (171 pts), GRO (132 pts), MAS (112 pts), BUT (73 pts), HUL (51 pts), PER (49 pts), RES (48 pts), SUT (29 pts), RIC (20 pts), VER (13 pts), GUT (6 pts), BOT (4 pts), MAL (1 pt), BIA, PIC, KOV, GAR e CHI não pontuaram.

A briga entre construtores acabou assim: Red Bull (596 pts), Mercedes (360 pts), Ferrari (354 pts), Lotus-Renault (315 pts), McLaren-Mercedes (122 pts), Force India (77 pts), STR (33 pts), Williams (5 pts), Marussia e Caterham não pontuaram.

Agora, só em março de 2014 os motores voltarão a roncar. Bastante tempo pra as escuderias colocarem  as casas em ordem.

Obrigado Fórmula 1.

vettelO casal perfeito: Vettel e seu Touro Vermelho querem mais recordes!

F1 2013: GP dos Estados Unidos

Em prova burocrática, Vettel laçou mais um recorde (8 vitórias seguidas), Grosjean mostrou um gatilho mais rápido que Webber e o cartaz de “Procura-se, vivo ou morto” continua estampando a McLaren.

Nem um Pacaembu com apenas 20 mil pessoas é capaz de separar a F1 do seu público fiel. Enquanto o jogo se arrastava em terras paulistanas, com este que vos escreve entre as (coitadas) testemunhas, Austin via Sebastian Vettel cumprir o protocolo e cravar mais uma vitória. Com sobras. De novo. Esse saloom tem dono e a pianola toca do jeito que ele quer.

Ao contrário dos 22 jogadores que eu assistia, Vettel não errava o passo e caminhava para mais um recorde, você escolhe qual: vitórias, poles positions, campeonatos, número de amendoins atirados ao alto e coletados com a boca aberta… Seu companheiro de equipe, por outro lado, mantém a tradição e a regularidade: o canguru Webber larga mal demais! Logo de cara perdeu posição para Grosjean.

O pódio ficou do jeito que a corrida começou. A Lotus tem muito o que agradecer ao francês nessa temporada. O menino estabanado ainda comete das suas, entretanto, é inegável seu crescimento. Palmas para Grosjen.

Kovalainen, pegando emprestado o carro de Raikkonen (oportunamente operado nas costas), não foi tão feliz. Foi obrigado a trocar o bico do carro apenas 14 voltas depois de ter feito seu pit stop. Fica para Interlagos, amigão.

As Ferraris? Só vi uma. Foi um carro vermelho pilotado por um espanhol. Esse aí terminou em 5º, mas fez uma corridinha bem chinfrim. Suficiente para assegurar um vice-campeonato. Me falaram que outro carro vermelho, pilotado por um brasileiro, terminou em 12º seria 13º se Vergne não tivesse sido punido com 20″, após a prova). Esse não era uma Ferrari. Não PODE ser uma Ferrari.

Por fim, palmas para Bottas. Um belo final de semana, culminando com a zona de pontuação. QUINTUPLICOU a pontuação da Williams. 4 pontos inteiros só para ele! A primeira vez não se esquece.

A próxima corrida encerra o campeonato. O cai o pano acontece em Interlagos, aos 24 dias do mês de novembro. Previsão de chuva nos 3 dias.

Dança das cadeiras, digo, dos cockpits:

Vale a pena destacar a movimentação dos pilotos, com vistas para 2014. Ninguém é de ninguém!

Raikkonen sai da Lotus e vai para a Ferrari. Massa dá adeus a Maranello e desembarca na Williams. Na McLaren, sai o mexicano Checo Perez (pê da vida) e chega o famoso dinamarquês Kevin Magnussen, com apenas 21 anos. Na Red Bull, não custa lembrar, Webber aposenta o macacão na F1, cedendo o lugar para Ricciardo. Essas já estão 100% confirmadas.

Na Williams, Pastor Maldonado sai e pode pintar na Lotus. Tudo certo, mas a nova investidora, a tal da Quantum, parece preferir Hulkemberg. Com razão, diga-se de passagem. Cenas dos próximos capítulos.

Quem será que sobra fora da roda? Já pode cravar o Alonso na McLaren em 2015 ou está muito cedo?

20131118-011542.jpg

Torcida típica do Texas. Não, pera…

UFC Fight Night 32: Belfort x Henderson

Um explosivo Vitor Belfort nocauteia Dan Henderson de forma avassaladora e se credencia para disputa de cinturão. O Fenômeno está de volta?

43 anos e nenhum nocaute dentro do UFC. Dan Henderson não é exatamente o tipo de cidadão que você queira enfrentar de peito aberto. A mão pesada do americano já foi sentida pelo brasileiro em outra ocasião, ainda no PRIDE, em 2006. Vitória por decisão unânime.

O novo embate aconteceu na quente Goiânia. Uma vitória de Belfort significaria a chance de disputar o título dos médios contra Anderson Silva ou Chris Weidman (lutam dia 28 de dezembro). Para Henderson, uma derrota poderia significar pendurar as luvas e calçar o chinelinho de aposentado. Veteranos lutando pelo futuro.

Soa o gongo! O round começa com 1 minuto inteiro de estudos e nenhuma tentativa de golpe. Apenas a troca de olhares e na procura da distância perfeita.

E então a avalanche. Hendo partiu para cima, cabeça baixa e braço direito tentando acertar Vitor. Jeito estranho de atacar. Não esperava, contudo, uma esquerda em uppercut de Belfort, que pegou em cheio. Deu para ver os dois (!) pés do americano fora da lona e o corpanzil indo para o chão. Fantástico! Que choque! E dá-lhe ground and pound violento. Cidadão acertou toda e qualquer brecha que um atordoado Henderson deixava sem proteção.

Dan até conseguiu levantar, cambaleante, para tentar ensaiar uma reação. Se conseguisse respirar já estava de bom tamanho. Belfort foi MUITO mais rápido para encaixar um chutaço com a esquerda, bem na têmpora. Game over. Alguém anotou a placa do rinoceronte?

Claramente Henderson perdeu a luta na tentativa desastrada de acertar Belfort a qualquer custo. A primeira investida passou no vazio, mas ele não recuou. Tentou, no embalo, o mesmo golpe, ainda de cabeça baixa. A mão de Vítor, de baixo para cima, desestabilizou completamente o americano. O impacto teria feito muita gente dormir.

Por sua vez, Belfort foi muito ágil quando percebeu a oportunidade. Não deu espaço para Hendo reagir, respirar ou pensar. Zeinho não deveria lembrar nem onde estava, com a saraivada de punhos partindo de todos os lugares. E acertando todos os lugares. Uma avalanche de golpes e, por fim, um chute certeiro, quando o americano ameaçava escapar pela direita. A clássica saída estratégica não deu certo.

1:17 depois do gongo, o inferno de Hendo terminou. Pode botar sua primeira derrota por nocaute na conta, rapá! O esposo da Feiticeira vem fazendo magia no octógono. Mas agora o buraco é mais embaixo.

Vem cinturão por aí ou o brasileiro vai ficar mais uma vez pelo caminho? Com a disposição (e a cabeleira pra lá de esquisita) mostrada nesta noite, alguém duvida do Fenômeno?

headshotUh… headshot!

F1 2013: GP de Abu Dhabi

Vettel ‘brinca’, de novo, e vence a 7ª seguida. Só areia movediça é capaz de pará-lo?

Webber largou na frente, mas o canguru ficou ‘manco’ e terminou em 2º. Quem sabe ele consegue uma vitória antes de colocar o chinelo do aposentado?

Rosberg, em outra prova consistente, terminou em 3º. Grosejan, confirmando a boa fase, terminou em 4º.

Agora, os grandes destaques da corrida foram as Ferraris. Felipe Massa foi muito bem, até o 2º pit stop. Antes disso, o piloto brasileiro fez belas ultrapassagens e foi muito agressivo. Tão agressivo que os pneus, acabaram.  Já Alonso, poupou melhor o equipamento e escolheu uma estratégia de box melhor. Colocou pneus macios e deu uma pequena ‘escalada’. Chegou em 5º, pelo menos, até agora. Não é, Frank?

Lotus, paga o Räikkönen! Ele tá bravo porque não consegue comprar ‘Gold Label’ aos montes!

Próxima corrida: GP dos EUA, dia 17 de Novembro.

Pitaco do Frank: A bela paisagem de Abu Dhabi deixou os pilotos um tanto quanto agressivos:

Na saída dos boxes, Alonso, no embalo, dividiu reta, curva, sorte, noiva russa, bilhete de loteria e tudo o que teve direito com Vergne (STR). Chegou mesmo a sair da pista, bater na zebra e soltar faísca. Logo atrás, Massa freou tudo e mais um pouco para não provocar uma batida, indo dar um passeio na área de escape da curva, só para garantir. Por muito pouco não aconteceu um acidente bem feio. Devagar é que eles não estavam. Incidente a ser investigado após a corrida.

Hülkenberg também experimentou seu momento “tá todo mundo louco, oba”: passou NO MEIO de duas STR. A família do rapaz dispensa essa emoção.

Em outro trecho da corrida, Hamilton atacou Sutil, sem sucesso. É duro passar essa Force Índia. Na segunda tentativa, sucesso, mas não por muito tempo. O alemão deu o troço em cima do inglês. Nessa bagunça, abriram uma brecha por dentro, espaço perfeito para Massa, corajosamente, mergulhar e passar a Mercedes. Manobra ousada do brasileiro. Depois, passou Sutil, que acabou ultrapassado por Hamilton e, mais tarde, por Alonso.

Por fim, Kimi Räikkönen até tinha conseguido uma boa posição no grid, no entanto, os fiscais da FIA descobriram que a asa frontal flexionava mais que o permitido. A equipe alega a quebra de uma peça de sustentação. Lá atrás largou e, na primeira curva abandonou, com a suspensão quebrada. Sem pagamento, sem grid, sem suspensão, sem corrida. Tudo errado com nosso Iceman. Vai afogar as mágoas no picolé.

Não posso terminar o pitaco sem citar a parada do Massa: No  último pit stop, o mecânico engasgou para colocar a roda dianteira esquerda. De novo. Alguém consegue contar quantas vezes erraram nas paradas no brasileiro, sem patriotada? O lado bom é que, pelo menos, ESSE tormento vai acabar.

Massa

Massa, em suas últimas corrida com o cavalinho rampante

F1 2013: GP da Índia

Prefácio do tetra

Sebastian Vettel foi tretacampeão. Do alto dos seus 26 anos, ele alcança a glória máxima do automobilismo pela quarta vez consecutiva. Muito provavelmente, Alonso, com equipamentos iguais, seja do mesmo nível. Mas, não importa. O que esse muleque fez é para muito poucos. Ele é gênio? sim, mas, é humano também com falhas e defeitos. O que não apaga a consistência e a velocidade de “Seb”, que junto com Adrian Neway “deram asas” a uma máquina. Agora, Senna e Fangio, te aplaudem do céu. Isso, sem falar, em Schumacher, Hill, Villeneuve, Fittipaldi, Piquet, Prost, Mansell, Button, Lauda, Stewart e, muitos outros campeões, te reverenciam, menino! São por pilotos como você, que estamos aqui. Parabéns!

Imagem

Os outros

Rosberg: consistente na prova. Soube escolher a estratégia certa de corrida. Premiado com o 2º lugar.

Grosejan: para confirmar a sua permanência na Lotus e a sua evolução, foi muito bem! Largou em 17º e chegou em 3º.

Massa: bela prova do brasileiro! Dentro das atuais condições da Ferrari, e dele próprio, grande 4º lugar. Vejamos para onde vai.

Hamilton: corrida burocrática. 5º lugar.

Alonso: dois ‘totózões’ na largada. Uma prova trágica. Pelo menos, poderia ter brigado, lá na frente.

Webber: péssima largada e grande prova, até o alternador quebrar. Acontece… Mais com ele, é verdade!

Próxima prova: GP dos Emirados Árabes, dia 3 de novembro.

      

F1 2013: GP do Japão

9 dedos (e uma unha) na taça. Assim está Vettel, que venceu mais uma. Webber e um bravo Grosjean completaram o pódio de um animado GP em Suzuka. Circuito de tradição é outra história!

Largada com o hashi nos dentes. Webber, na ponta, fechou a porta para Vettel (por que abriria, não é?). Hamilton tentou o meio, passou pelas Red Bulls e teria conseguido a ponta se não fosse um toque com o pneu traseiro na asa frontal do alemão. Abandonou 8 voltas depois.

Um enorme “merci” fez Grosjean, que, por fora, ganhou 3 posições e assumiu a dianteira da fila. Destaque para a largada suicida de Sutil. Em último, acelerou no meio da galera, furando a fila de carroças, e ganhou 5 posições logo de cara. Maluco. Saquê batizado, só pode ser.

E traz o sal grosso para a Mercedes! Liberado pelo “pirulito”, Rosberg acelerou e quase acertou um ágil mecânico da Lotus e um inocente “Checo” entrando para a troca de pneus. Punido, teve que passar pela agonia da lentidão do pitlane.

Na dança do box, Felipe manteve-se à frente de Alonso, mas perdeu posição para Hulkemberg (boa garoto!). Webber ficou na frente de Vettel e Grosjean na frente de todo mundo.

Excelente briga pela 4a posição: Ricciardo puxou a fila por um bom tempo. Foi pressionado no limite por Hulkenberg, até ser ultrapassado. Alonso ficou atrás de Felipe também por um bom tempo, até usar a asa e passar, tanto pelo brasileiro quanto pelo australiano (e futuro rubro-taurino).

Massa teve que segurar a bronca de um faminto Gutierrez. Dividiu curva roda a roda com o mexicano. Pneu fora da pista! Segurou no braço! Isso é Suzuka!

Mais uma rodada de pits e a configuração muda: Webber bem na frente, com Grosjean e Vettel depois. O futuro tetracampeão apertou o passo, volta a volta encostou no francês e, se pudesse, teria passado por cima. Abriu a asa e ultrapassou, com tranquilidade, na primeira oportunidade que teve.

Webber não tentou fechar só com duas paradas e agora, em terceiro, corria atrás do prejuízo. Com pneus macios (e novos), o Canguru veio com vontade pra cima do pobre Grosjean. Na primeira tentativa sucesso da defesa! Na segunda também! Vettel sorri por debaixo de seu capacete brilhante. Porra Webber! Perdeu a terceira chance de passar COM ASA ABERTA!

ARRE! PASSOU! CINCO tentativas (e uma chance de vitória no lixo) depois, Webber passa Grosjean. Vettel, com um pneu médio e em pior estado, passou na primeira. Ta aí a diferença…

E um campeão também tem sorte: SEBASTIAN VETTEL E SUA RED BULL VENCEM O GP DO JAPÃO!

Mark Webber, o triste, fechou a dobradinha. Grosjean, o quase, completa o pódio. Massa foi ultrapassado na última volta (oh Lord!) e terminou em péssimo, digo, décimo. Alonso valente e brigador cruza a linha em quarto, mantendo uma fresta de luz sobre o campeonato. Destaque para Hulkemberg (P6) e Gutierrez, que largou em 14º para terminar na P7.

As duas Williams só terminaram na frente de uma Marussia e uma Caterham (as outras duas bateram uma na outra logo na largada). Vergonha alheia total.

podioPódio com presença ilustre do tenor Plácido Domingos!

E o campeonato está assim: VET (297 ), ALO (207), RAI (177), HAM (161), WEB (148), ROS (126).

Em construtores, Red Bull (445), Ferrari (297), Mercedes (287), Lotus (264), McLaren (83), Force Índia (62), Sauber (45), STR (31) Williams (1, juro). Marussia e Caterham não pontuaram (ah vá!).

Próximo GP, provavelmente o que define o campeonato, vai ser na Índia, em 27 de outubro. Será que uma vaca vai entregar o troféu ao vencedor?

F1 2013: GP da Coreia do Sul

A corrida que pegou fogo. Literalmente.

Só não pegou fogo na ponta, pois, o Vettel apaga qualquer faísca, rapidinho. O danado venceu de ponta a ponta, de novo. Deem o título logo para o rapaz, poxa vida. Na largada, o Grosejan passou o Hamilton e assumiu a 2ª posição. Enquanto isso, Massa tentou escalar Alonso e Gutierrez, mas acabou rodando, por isso, teve que fazer uma prova de recuperação. Chegou em uma boa nona colocação.

Mas, a Ferrari não estava em uma boa jornada. Alonso foi burocrático, além de o carro não ter achado o acerto ideal para o fim de semana. Conseguiu algumas boas brigas com Hamilton e , principalmente, Hulkenberg. Aliás, o garoto merece uma atenção especial. O alemãozinho largou em sétimo e aproveitando toda a confusão na largada pulou para quinto.

Ai, foi ficar no cangote do Hamilton para, em um momento de distração do piloto inglês, assumir a 4ª posição. E olha que ele aguentou a pressão do Hamilton e do Alonso. Tem braço, o menino!

E o Raikkonen, hein? Daquele jeito.. na dele. Foi escalando, escalando, passou seu companheiro, e chegou em 2º com Grosejan em 3º.

Agora, o destaque, mesmo, foi o Webber. Ia largar em 3º foi punido e perdeu dez posições. Mas, não era só! Após um toque com Sutil, segundo o australiano, o KERS começou a pegar fogo. Tá vendo Rede Bull? fica comprando coisa vagabunda, olha no que dá.

O fogaréu gerou um safety car. O segundo, na verdade, já que o primeiro foi causado pelo Perez, após uma dechapada no pneu.

O campeonato

1º Vettel 272 pts; Alonso 195 pts; Raikkonen 167 pts; Alonso 161 pts; Webber 130 pts; Rosberg 122 pts; Massa 89 pts

Próxima prova: GP do Japão, 13 de Outubro.

F1 2013: GP de Singapura

Nos embalos da noite sonolenta de Singapura, Vettel deu um passeio rumo ao tetra, as usual, enquanto Alonso e Räikkönen escalaram o grid para completar o pódio.

Assim que as luzes se apagaram, Rosberg largou bem e partiu pra cima de Vettel, chegando a ultrapassar o alemão em uma das curvas. Entretanto, não foi capaz de segurar a posição. E aí Bastião fez o que melhor faz: abrir pelo menos 1s por volta.

Alonso inventou o telestransporte e, fantasticamente, saiu de sétimo para terceiro em um piscar de olhos. Passou todo mundo por fora. Um monstro. Massa dividiu pista com Hamilton e acabou por ficar à frente do inglês da Mercedes. Boa largada dele. E no geral também.

Sobre a largada de Alonso, a Lotus faz as devidas considerações, no Twitter: “Replays do show Fernando making a stonking start, not only passing our man, but countless others too. Maybe millions“. Gênios. Melhor equipe.

Volta 21, rádio da equipe para Hulkenberg: “Err… dude, a direção de prova mandou você deixar o Perez passar“. E o piloto responde um sonoro e esganiçado: “WHAT?!?!!?!?“. A equipe tenta explicar: “Pois é, você passou por fora“. A indignação do Hulkenberg foi sensacional, até porque ele tem razão: foi o Perez quem jogou o coitado para fora da pista.

Ricciardo, com contrato assinado para 2014, travou as rodas na entrada do túnel e amassou bonito a frente dourada da sua STR, em uma posição perigosa. Safety Car. Todo mundo parou, exceto as RedBulls e as Mercedes.

Após uma soma de nada com coisa alguma acontecendo, Grosjean abandonou com problemas de motor. Acho que até ele, o motor, ficou entediado com a corrida.

Com que carro Vettel corre? Cidadão põe 3s de vantagem POR VOLTA sobre o Alonso. É o único do grid fazendo as voltas (bem) abaixo de 1:50:00. O conjunto é fantástico. O carro tem uma aerodinâmica perfeita e Vettel sabe como usá-la ao máximo. E pensar que tem duas Caterham e duas Marussia no mesmo autódromo.

E olha o Kimi dividindo curva com Button! Esse é o finlandês que eu conheço! Passou o inglês por fora, equilibrando espaço entre a McLaren e o muro. Coisa bonita.

Kimi

Kimi, o comedor de tatus mais rápido da F1.

E o Di Resta passou Di Reto. Desculpe. Mas que ele ficou na barreira de pneus, ficou.

E a galera acordou nas últimas voltas! Massa pressiona Hamilton. Rosberg passa Perez e, logo em seguida, todo mundo passa o Button. Drama inglês.

E A CORRIDA É DELE E DE MAIS NINGUÉM, SEBASTIAN VETTEL E SUA RED BULL VENCEM O GP DA SINGAPURA! Mas tá na hora de trocar esse capacete purpurinado, amigo.

Fernando Alonso fez mágica novamente e foi o segundo. Kimi Raikkonen, mesmo com infiltração para conter uma dor nas costas, largou em 13º e completou o pódio. Três pilotos incríveis.

Após a corrida, Webber pegou um taxi com Alonso de motorista! Pouca gente tem o privilégio de ganhar uma carona de Ferrari. Essa é a F1 moleque!

O campeonato ficou assim: VET (247 pts), ALO (187 pts), HAM (151 pts), RAI (149 pts), WEB (130 pts), ROS (136 pts).

Próxima corrida é na Coreia, no dia 6 de outubro. Lá o hot dog é diferente.

Bandeira quadriculada: Vale lembrar que este blog acertou as previsões de 2014 com Kimi na Ferrari e Ricciardo na vaga de Webber. Massa ameaçou ir até de Williams (vish), mas a Lotus é uma possibilidade boa. Pondere-se que a equipe deve investir em Grosjean, uma vez que há gerentes franceses por lá.

Pô… não tem uma vaguinha para o Kobayashi, não? Saudades do mito.

F1 2013: GP da Itália

Apesar do bom traçado, a prova foi bem modorrenta.

Que começou com uma largada animada: Vettel disparou mas, Massa foi astuto para passar Hulkenberg, dar um ‘totó’ no Alonso e, por fora, assumir a 2ª posição.

Alonso se estabeleceu em 4º com Webber em 3º. Mas, não demorou muito para o espanhol passar Webber em uma bela manobra. Enquanto isso, Massa vinha com um bom ritmo de corrida, até que ,claro, veio o ‘sinal’ dos boxes da Ferrari: Alonso chegou e passou Massa. Até que, dessa vez, fizeram de uma maneira mais decente.

Lá na frente, Vettel vinha enfrentando problemas com o pneu dianteiro esquerdo. Alonso foi diminuindo a diferença, até o pit-stop do alemão. Ai, nessa parte a Ferrari fez uma tática kamikaze obrigando o espanhol a esperar uma chuva, que não veio. Resultado: Vettel voltou para a ponta para vencer a prova e Alonso voltou do pit com Webber fungando no gangote.

Se enssaiou uma disputa entre os dois, entretanto, nada aconteceu e cruzaram a linha de chegada desse jeito mesmo.

Massa fez uma boa prova. Ele pode respirar um pouco, mas bem pouco, aliviado.

O campeonato: Vettel 222 pts; Alonso 169 pts; Hamilton 141 pts; Raikkonen 134 pts; Webber 130 pts; Rosberg 104 pts; Massa 79 pts.

Próxima prova: dia 22 de Setembro, em Cingapura

F1 2013: GP da Bélgica (Spa-Francorchamps)

Em uma corrida mais animada atrás do que na frente, Vettel pilota sozinho e Alonso sai de 9º para 2º. O campeonato caminha para o mesmo final dos últimos 3 anos.

Se não dá na largada, que seja um pouco mais na frente. Vettel não deu o pulo do gato logo de início, mas não precisou nem de asa aberta para tomar a liderança de Hamilton. Mais fácil que tirar doce de uma criança dormindo.

Webber largou mal (de novo). Alonso achou bons espaços e ultrapassou meio mundo, ficando atrás de Rosberg e Button. Duas voltas, e já era para o inglês. Mais duas voltas e…. abraço ao filho do seu Keke.

E está osso para o Massa. Como se não bastasse a má classificação, a péssima largada e a forte possibilidade de ficar desempregado em 2014, ainda deu uma triscada na faixa de segurança na saída dos boxes. Podia ter rolado uma punição.

Enquanto isso, o outro piloto da Ferrari ia mostrando bolas de aço, freando no limite do desastre e controlando o carro no braço para defender a posição do ataque de Hamilton. Diferenças…

Com 21 voltas, VET, ALO, HAM e ROS, WEB, GRO.

Cena curiosa: Raikkonen, intenso durante a corrida, tentou ultrapassagem em Massa, mas passou reto. Aproveitou a ocasião e entrou nos boxes, mas não tinha ninguém lá preparado. Menos mal que a intenção era abandonar, com super aquecimento dos freios dianteiros.

E bateu! Finalmente voaram pedaços de carro. Sobrou para o azarado Di Resta. Em uma disputa que envolvia também Sutil e Gutierrez, Maldonado encheu a traseira do britânico. Só Paul abandonou. Quanto ao venezuelano da Williams, punido com stop and go. Coitado do meu xará. Seu Frank já está velhinho, não merece esses desgostos.

Enquanto isso, a McLaren pergunta a Button: “Mr. Button, o senhor prefere pneus duros ou pneus macios?“, como quem pergunta “por obséquio, para as 5 horas, o senhor prefere chá preto puro ou com leite?”. Lord é lord.

E NÃO TEVE PRA MAIS NINGUÉM! SEBASTIAN VETTEL E SUA RED BULL VENCEM O GP DA BÉLGICA, NA MÍTICA SPA-FRANCORCHAMPS!

Em segundo, Alonso “alonseou” novamente (e ainda brincou de fazer drifting na ultima curva hahahaha). Hamilton em terceiro completa o pódio.

Bandeira quadriculada:

> Falando em pódio, a cara do Alonso enquanto chegava para receber o troféu era de quem comeu limão achando que ia comer donut de chocolate com avelã. Feliz da vida, só que não.

> Williams fez 1 ponto no campeonato de construtores até aqui. Está a frente da Marussia e da Caterham. E só.

> Webber, só pela galhofa, deu com a língua nos dentes e “revelou”, “acidentalmente”, que já está tudo certo para Ricciardo ocupar seu cockpit em 2014. A Austrália agradece.

O campeonato segue assim: Vettel (197 pts), Alonso (151 pts), Hamilton (139 pts), Raikkönen (134 pts) e Webber (115 pts).

A próxima corrida acontece em Monza, em 8 de setembro. E lá que a cabeça do Massa vai rolar?

F1 2013: GP da Hungria

Muito calor e algumas ultrapassagens em Budapeste.

A Mercerdes parece ter resolvido seus problemas com o consumo de pneus. O que levou Hamilton a primeira vitória na nova casa. Palmas para o tio Ross, tio Niki e sua turma. Parece que eles vão bagunçar o campeonato.

O Rosberg, não teve muita sorte: levou um ‘totó’ do Massa na largada e desapareceu na corrida. O motor ‘fumou’ e ele parou.

A Red Bull fez uma prova correta, apesar de Vettel colocar em risco sua 3ª posição partindo para cima do Raikkonen perigosamente e Webber ter sido mantido na 4ª posição por um ‘fica queto ai, velho’ pelo rádio, será?

A Lotus foi muito bem. Raikkonen fazendo uma parada a menos, conseguiu uma bela 2ª posição, mas o grande destaque foi o Grosejan, e pasmen! Ele não fez besteira! Aliás, o franco/suiçinho fez belas ultrapassagens! Não.. não você não leu errado. Com destaque para um ‘passão’ por fora no Webber. A punição para o francês foi injusta. Acho que ele paga pelo passado recente.

Já a Ferrari.. bem.. Alonso chegou em uma ruim 5ª posição. O campeonato, que já está ruim, vai ficando pior e Massa com o carro ruim e com o bico quebrado, não teve como fazer muita coisa. Chegou em 8º. É.. Luca Di Montezemolo, algo está errado no reino de Maranello. Vê isso ai, hein!

O campeonato: Vettel 172 pts; Raikkonen 134 pts; Alonso 133 pts; Hamilton 124 pts; Webber 105 pts; Rosberg 84 pts; Massa 61 pts

Próxima prova: Spa-Francorchamps, 25 de Agosto.

Rockgol: Totalmente Excelente!

*Esse texto é patrocinado pela Paulo Bonfá Ringling Brothers Capillar Consultants*

Algumas ideias surgem de um “e se nós juntássemos X com Y“, ainda que X e Y não tenham rigorosamente nada a ver um com o outro. Tem gente que diz que essas, inclusive, são as melhores ideias.

Um dia, algum abençoado na saudosa MTV (aquela emissora que respira por aparelhos e que um dia, pasmem, foi boa) pensou: “e se a gente colocar músicos roqueiros jogando futebol?“. Assim nasceu o RockGol. Pernas de pau e panças de chopp se esbaforindo em um campo de grama, com o grande objetivo de não sair machucado, morto ou estéril. Se bem que em alguns casos ficar estéril seria providencial.

No comando de narração, Paulo Bonfá. Nos comentários, Marco Bianchi. Já que o jogo seria uma piada, nada melhor do que deixar a nau sob os comandos de quem entende disso. Sem dúvida, um dos grandes clássicos da televisão nos anos 90.

A incrível capacidade de improvisação dos dois, aliado ao pífio senso de bola dos músicos, tornava o “quebra-canelas” – preciso, não é? – um espetáculo visual totalmente excelente.

Vamos lembrar dos craques? O primeiro que me vem na cabeça é Max Telefone de Contato. Não sei de onde surgiu e nem para onde foi. Talvez por isso fosse tão importante deixar o telefone de contato. Outro Max que também jogou (ou repórter. Ou os dois) foi o Fivelinha. Curiosamente, outro que sumiu. No outro extremo, Nasi, o Wolverine Valadão. Muito estilo. Pouca bola. Vale citar também Jesus Jr, James McDowell – o Gigante Irlandês – e a Musa Nissei-Sansei.

E houve ELE. O maior goleiro de todos os tempos da história do universo. Do antes e do depois. O primeiro, o único. Simplesmente ele: CLÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉSSSSSSSSTON!

Para não ser tão sacana com os músicos-jogadores, vale um clipe dos melhores gols, narrados pela dupla mestre do programa. Destaque para o tom de descrença de Marco Biachi no ultimo gol. Foi de dentro da alma:

E como não lembrar dos locais dos jogos? Os cotejos eram transmitidos ao vivo (ou não), diretamente (ou não) de Birigüi, na grandiosa “MTV Sports Arena”, o Biriguizão ou ainda, Estádio Municipal Mané Pipoca, Estádio Municipal “Reynaldo Gianecchinni”, o Reynaldão. Mais uma piada do programa.

Grande programa. Bons tempos. Ideal para comer com o Amendoim João Ponês.

PS: E antes que você mova esse traseiro fétido da poltrona carcomida que hora abunda, me ajude a lembrar da letra do samba-enredo, no qual havia os etruscos, em suas lindas caravelas, que encontraram D. João IV para fazer uma novela. E os filisteus?

Aliás… Havia uma letra?

F1 2013: GP da Alemanha

Pneu voador, carro que anda sozinho de ré e a vitória de Vettel. Um GP que seria incrivelmente chatinho se não fossem as bizarrices e as últimas 10 voltas.

As duas Red Bulls engoliram Hamilton na largada, cada uma de um lado, com Vettel na frente e Webber logo atrás. Massa, com pneus médios, ganhou uma posição, a de Ricciardo. Uma pena que, logo na quarta volta, Felipe rodou sozinho e imediatamente abandonou a prova. Ninguém na Ferrari quis explicar o que houve. Muito estranho.

No pit stop de Webber, quase um desastre. Os mecânicos engasgaram na hora de colocar a roda traseira direita, que não ficou bem presa. Liberado, o australiano saiu, mas a roda soltou, quase acertando os mecânicos da Lotus. Menor sorte teve um cinegrafista da FOM, que tomou um hit point em cheio, na altura da cabeça. Saiu de maca, mas vivo.

Boa briga entre Alonso e Hamilton. O espanhol encostou, chegou a colocar de lado, mas a curva por fora favoreceu o inglês. No X, mais uma vez roda com roda, no limite. Outra curva com preferência para Lewis, que se segura. Duas voltar seguidas assim, sem ultrapassagem para Alonso. Na pressão, Hamilton decidiu ir para o box.

Olha só! Explodiu o motor do Bianchi. Fumaceira gigante e aquela labareda bonita. Agora… Melhor mesmo foi o depois. Bianchi saiu do carro. No aguardo da retirada do veículo, o carro da Marussia “engatou a ré” sozinho e foi descendo a ladeira. Atravessou a pista e “estacionou” no canteiro oposto. Que cena! O melhor da Marussia no ano, com certeza.

As Lotus estavam muito bem equilibradas. Grosjean ficou muitas voltas atrás de Vettel, o líder, mas não conseguia grudar a ponto de pressionar verdadeiramente o alemão. Não teve bico do carro no retrovisor. Apenas boas voltas. Box.

Logo em seguida, Vettel parou também deixando pista livre para Raikkonen. Andou algumas voltas na liderança, mas, percebendo que não seguraria os pneus médios até o fim, parou a 10 voltas do fim. Agora, amigo… Vettel e Grosjean com pneus médios. Raikkonen com pneus macios (mais velozes). E ainda tem Alonso, aguardando alguma quebra/batida. Quem leva o GP da Alemanha?

Kimi, babando, encostou no francês. O coitado do Grosjean recebeu a famosa frase “faster than you”, o código secreto mais conhecido do mundo para “deixa passar”. 3 voltas para acabar e 1.7′ de vantagem.

Raikkonen baixou o tempos de distância, mas Vettel fez o possível e o impossível para segurar a diferença em mais de 1 segundo, evitando a abertura do DRS.

E EM CASA, COM A SUA TORCIDA, SEBASTIAN VETTEL E A RED BULL VENCEM O GP DA ALEMANHA DE F1!

Raikkonen termina em segundo, com Grosjean em terceiro. Alonso, em 4º parou logo após cruzar a linha de chegada. Pode rolar uma punição, já que o carro deve ser conduzido pelo piloto até os boxes.

O campeonato ficou assim: Vettel (157 pts), Alonso (123 pts), Räikkönen (116 pts), Hamilton (99 pts).

A próxima corrida seria na Turquia. GP cancelado, por segurança. Assim, os brinquedinhos voltam a desfilar na Hungria, dia 28 de julho.

Copa das Confederações: Tourada canarinho no Maracanã

Com 2 gols de Fred e 1 de Neymar, Brasil atropelou a Espanha e, sem dó, piedade ou cerimônia, venceu a Copa das Confederações 2013. 

Quem viu a final da Copa das Confederações entre Brasil e Espanha certamente ficou maravilhado e surpreso com o quanto o selecionado nacional jogou. Todos esperavam (inclusive eu) uma partida dura e até com os toureiros dominando, bem ao seu estilo. Não ocorreu. O varal entortou a favor do verde-amarelo, num futebol moderno, intenso e eficiente, que até agora não havia aparecido. Bela hora para aparecer, hein?

Foi a melhor partida que eu vi o Brasil jogar em muito tempo. O domínio aconteceu na bola, em uma marcação incansável e muito apertada. Foi também um domínio psicológico. Parecia que, mesmo jogando 5 horas seguidas, Julio César não seria vazado.

Tudo deu certo, até quando deu errado. Fred no chão com 1:30. Gol. Uma avenida IMENSA nas costas do Daniel Alves e uma MAIOR AINDA nas do Marcelo, chute preciso de Pedro e…. David Luís aparecendo de carrinho, em cima da linha. Pênalti bizarro cometido por Marcelo e Sérgio Ramos acertou a placa de publicidade. Uma das muitas. Foi para ficar rojo de vergonha.

Se a ideia da Copa das Confederações é ser um teste da estrutura para a Copa do Mundo, a Seleção Brasileira passou em sua prova particular. Enfrentou jogos para dar moral, como o Japão, de paciência como o do México, adversários de tradição e raça como Itália e Uruguai, até o derradeiro espetáculo contra a Espanha.

É claro que o time não está pronto (as laterais continuam sendo um problema), mas a luz no fim do túnel parece maior e mais palpável. Fred é o nosso 9 goleador. Luís Gustavo foi muito bem no meio campo, assim como Paulinho (hoje anularam Iniesta e Xavi). Julio César, opção a principio antiquada, foi seguro quando acionado. Até Hulk superou a desconfiança e, mostrou que merece, ao menos, estar no grupo.

Quanto a torcida brasileira, foi o 12º jogador. O hino cantado no gogó deu aquela injeção de adrenalina fundamental no começo do jogo (crucial em mais de uma partida, eu diria). Agora, bom mesmo foram os gritos de “Shakira” na expulsão de Piqué no segundo tempo. Aqui é Joelma, porra!

Mais um troféu para a coleção e a missão de cultivar o otimismo, sem deixar a empolgação ufanista mascarar o caminho até a Copa do Mundo. Com 32 seleções, o buraco é mais embaixo. E Felipão sabe disso.

David LuizGolaço de David Luis quando o jogo ainda estava 1 a 0. Decisivo.

F1 2013: GP da Inglaterra

Corridaça e pneus voadores! Essa foi Silverstone, meus amigos! Vamos aos destaques:

Grande largada do Massa. De 11º para 5º em uma estilingada só. Com direito a ultrapassagem em cima do Alonso.

1º pneu estourado: Hamilton, para infelicidade dos ingleses. Grande recuperação e terminou em 4º.

2º pneu estourado: Massa. Azar monstruoso. Com certeza vinha para brigar pelo pódio, no mínimo. Outra bela recuperação, terminou em 6º.

3º pneu estourado: Vergne. Esse ficou pelos boxes.

4º pneu estourado: Hulkenberg. 18º.

5º pneu estourado: Perez. Ficou nos boxes também.

Fora os pneus ‘rojões’, a corrida foi cheia de ultrapassagens, dois ‘safety cars‘, correria nos pit stops. E pasmem! Vettel teve problemas no câmbio e o carro ficou ‘engasgado’. Abandonou. E ha quanto tempo não tínhamos problemas de marcha em uma prova? Coisa bem anos 80/90. Legal (para nós).

Com tudo isso, o grande vencedor foi Rosberg (abre a garrafa de whisky, seu Keke). Com Webber em 2º (um dia, um adeus.. eu indo emboraaaa…) e Alonso em 3º. Será que a Espanha terá a mesma sorte no futebol?

O campeonato: 1º Vettel 132 pts; 2º Alonso 111 pts; 3º Raikkonen 98 pts; 7º Massa 57 pts.

Próxima corrida: GP da Alemanha, dia 7 de julho.