Meus eleitos no Blog Day 2010

O Blog Day é uma iniciativa gringa para que os donos de blogs, doravante denominados blogueiros, digam aos seus leitores quais companheiros escrivinhadores (sic) são dignos de vossa leitura. A escolha é sempre muito difícil, já que o que não falta por aí é blog bom para se ler. Esse já é o terceiro ano que participo dessa data festiva e nunca me arrependi de ter indicado alguém para vocês. O que é um bom sinal, certo?

Blog Day 2010

Meu critério é escolher blogs que tenham estilos diferentes e, de preferência, sejam desconhecidos do grande público. Acho que o intuito dessa iniciativa não é indicar os chamados mega-blogs. Eles não precisam de mais visibilidade. Nós, os nano-blogs, é que devemos nos unir, porque só assim nossos pageviews aumentarão, dando suporte para as tão esperadas migalhas do adsense. Me empolguei?

Para saber mais sobre o Blog Day, sugiro que leia atentamente meus indicados no ano de 2009 e no ano de 2008

Após um conclave que durou 40 dias e 40 noites, reunido na masmorra do castelo de Windsor com os mais belos fantasmas que já vi e sendo alimentado com pão sírio e água mineral, esse desnutrido blogueiro decreta, no uso de suas atribuições, que os indicados no Blog Day 2010 são:

1) Esmaltices

Já que é para indicar um blogs diferentes, vamos começar quebrando a banca. Esmaltices é um projeto de 5 jovens mulheres com um gosto em comum: esmaltes. Como eu sei que tenho leitoras femininas, essa indicação será melhor aproveitada por elas. Isso não significa, claro, que você homem moderno, não possa entender dessas tintas que cobrem parcelas mínimas do corpo de sua amada. E ai de você se não notar se ela mudar a cor!

Novas tendências e marcas, cores da moda, técnicas de aplicação, experimentações e certezas. As vezes você fica apreensiva em usar tal cor de tal marca… well… talvez uma das meninas já tenha feito o trabalho sujo por você. Não custa dar uma vasculhada. Se você quer conhecer um pouco mais desse nicho (eu disse nicho, ok?), faça uma visita.

“Como prometido no post anterior, to aqui pra mostrar as comparações que fiz da coleção “Dança Comigo” da AH!

Vou começar pelo Salsa, que é um esmalte vermelho aberto, e eu não sei se vocês já perceberam mas em todas as coleções lançadas no mercado, sempre tem um vermelho, ou seja, é um esmalte muito fácil de ter vários iguais em marcas diferentes.

Agora um esmalte da coleção “Dança Comigo” que EU acho que não tem nenhum esmalte igual é o Samba. Um verde  escuro/claro,  não sou muito boa para descrever cores, rs”.

2) About:Blank

Se eu fosse uma ultra-jovem do sexo feminino, torceria pra nascer como Mariana Bellinote. Como não sou, me contento em ser Frank Toogood.  Seu blog é uma das maiores provas que a juventude tem futuro. Apesar da baixa frequencia nas postagens, o estilo é algo único, que me surpreendeu do desde o começo. Não tenho noção de como fui parar no About:Blank, mas sei que de lá não quero sair tão cedo.

Caso ela desista do blog, pode ter certeza que terá um espaço reservado nesse humilde antro de cultura, reflexão e baboseiras, não necessariamente em ordem proporcional.

Hoje eu vim aqui descrever uma bebida de losers. Porque só um loser compraria algo que se chama Cola Café Classic [Refrigerante Misto de Cola e Café] . Ou pessoas muito sem noção, como meu pai e meu irmão.

3) Rato de Biblioteca

Cristine Martin é tradutora e artesã. Mas não consigo ler seu blog sem associar intimamente a proteção e defesa dos animais. Essa mistura de livros, arte e cidadania não poderia resultar em outra coisa senão num espaço rico em informações. Nada do que você gastar dos seus preciosos minutos será desperdiçado. Por ser uma exímia leitora, sabe como poucos garimpar informações e transformá-las em textos que você fará questão de guardar em seus favoritos. Se eu fosse mais cara de pau, teria colado vários em meu blog sem dar créditos…

Um detalhe: Gostaria de saber ler tão bem quanto ela. E isso é mais profundo do que parece a primeira vista.

Você sabe o que significam as atitudes e ruídos do seu cão? Ele está tentando se comunicar por sons, gestos e linguagem corporal. Se bem que a Nina conversa mesmo com a gente, fica ‘cantando’ bwauaur… como se estivesse contando algo. Quando dizemos que o cão “só falta falar”, ele fala sim, nós é que ainda não entendemos…

4) José Luiz Teixeira

Apesar de José Luiz Teixeira ser jornalista profissional e não ter propriamente um blog, será indicado aqui. Suas colunas do Terra Magazine, todos os sábados, tem a proeza de falar de tudo: política, religião, comportamento, televisão, futebol… o que estiver em pauta no momento, pode ter certeza que será abordado.

O estilo é algo que eu prezo bastante e isso ele tem de sobra. Sempre tem uma sacada genial para colocar na coluna. Zé Luiz dosa seriedade com bom humor e isso torna o texto fácil de ler e gostoso de digerir. Leitura indispensável.

Sim, será preciso inventar algum dispositivo que nos proteja da mutilação pelos ladrões, pois, nesse caso poderia ocorrer, literalmente, o inverso do dito popular: ficarem os anéis e irem-se os dedos.

5) Color Screen

Conheço o Paulo desde os bons tempos da comunidade orkutiana Anti Video Show. Se ele me conhece é outra história, que não vem ao caso agora. É bom que eu indique o Color Screen agora, pois quando o blog e seu criador ficarem famosos, ele não vai ter tempo nem para coçar a cabeça. E mais cedo ou mais tarde algum peixe grande da blogosfera brasileira vai reconhecer o talento desse cidadão “formado em Comunicação, profissional de Cinema e TV e apaixonado por tudo que envolve essa área“.

Nostalgia parece uma palavra velha, mofada. Com o Color Screen ela veste nova roupagem, tornando-se viva. Sua memória será massageada, provocando sensações de alegria, surpresa, espanto e, porque não, a legítima emoção da infância. Afinal de contas, tudo fica mais legal numa tela colorida.

O projeto foi apresentado a Paul McCartney, Ringo Starr, George Harrison (ainda vivo na época) e a viúva de Lennon, Yoko Ono. Por conta de uma única opinião negativa (Mauricio nunca soube quem foi a pessoa contrária ao prosseguimento), o projeto não decolou, restando apenas como conceito.

Desafio #7links: O que seu blog tem de melhor?

Há certos momentos na vida que você tem que parar tudo o que está fazendo e refletir sobre o ontem, o hoje e o amanhã. Tecnicamente NÃO é esse o instante para esse blog “fechar para balanço“. Entretanto, devido a uma nefasta combinação de falta de criatividade  e sono, minha fábrica de ideias inteligentes e perspicazes está funcionando meio… mambembe, se assim podemos chamar a escassez de textos.

Sorte a minha (e azar de vocês) que a Cristine Martins e o Henderson Bariani resolveram postar esse desafio em seus respectivos blogs  – eles são os culpados, portanto. As instruções são simples: escolha os textos que se encaixem nas categorias descritas, faça uma explicação bonitinha e convincente e publique. É uma boa forma dos leitores conheceram o que o todo poderoso senhor do diário virtual pensa sobre sua obra.

E quem disse que é fácil realizar a tarefa? O resultado do meu esforço pode ser visto no singelo texto abaixo. Vocês vão gostar. Bom apetite.

1)      O primeiro post do meu blog
O primeiro post do meu blog foi uma verdadeira decepção. Eu não tinha a menor ideia do que esse espaço poderia se tornar e claramente subestimei não só o meu potencial como escriba (vá lá… eu tenho algum), como também a paciência de vocês ao acessar essas linhas tortas. Além, claro, do crescimento exponencial da internet. Ou seja… falhei miseravelmente na missão de escrever algo apresentável, que instigasse o leitor a continuar me acompanhando. Algo que prestasse, fosse digno. Enfim… se você quiser ler, divirta-se com o Nova Fase. Ou não.

Eu poderia arrumar e deixar tinindo. Ninguem ia perceber. Mas se a história foi construída assim, deixe estar. Vamos preservar o passado da forma como ele foi erigido.

2)      O post que mais gostei de escrever
Fácil. Acho que eu falo tantas vezes sobre esse assunto que vocês estão de saco cheio, mas vamos lá: Teleton 2009: na bancada. Sim! Eu estava lá! Escrevi aquelas frases em tempo real, na frente das câmeras, ao vivo e para todo o Brasil. Vi o primeiro milhão se materializar no placar eletrônico e, como eu sempre digo, vi a solidariedade do povo brasileiro tomar forma, cor, tamanho, cheiro, textura… Foi real. Muito real.

A intensidade daquela experiência nunca mais será esquecida. É  o tipo da coisa que marca tão fundo dentro de você que faz parte do todo. Por tudo o que eu vi, principalmente nos bastidores (e não falo apenas no sentido midiático) talvez tenha sido a experiência mais valiosa que eu já vivi. E isso não é pouca coisa. Indescritível? Não sei. Mas certamente nenhuma descrição ficará completa, por mais que se coloque adjetivos.

E eu juro que ainda arrepio e minha garganta fica apertada sempre que eu falo sobre isso…

3)      Um artigo que gerou um bom debate
Nessa categoria deu empate. Pelo lado cômico não há como não eleger “RBD: choro e muita festa“. Os fãs se revoltaram soltando um grau tão elevado de babaquices que não há como negar que os comentários são infinitamente melhores que o post em si. Até agora não consigo entender como é possível pensar, agir e defender daquele modo um pensamento tão vazio. Eu tentei argumentar, responder, ser amigão… só levei catiripapos.

Pensando pelo lado sério, “Testemunhas de Jeová: uma doutrina polêmica” rendeu debate. E dos bons. Apareceu gente defendendo os TJ’s, partidários daqueles que metem o pau nas religiões, gente ponderada e até um teosofista. Aprendi muita coisa, mas não seria verdadeiro dizer que mudei de ideia em relação a algumas atitudes que os Testemunhas de Jeová tomam. Lendo o texto e os comentários vocês entenderão muita sutilezas e os principais pontos de polêmica e, certamente, quebrarão preconceito que por ventura estejam incrustados. Melhor assim: quer criticar, odiar? Beleza… mas ao menos conheça aquilo que você critica.

4)      Um artigo de outro blog que eu gostaria de ter escrito, e do qual gostei muito
Essa categoria é interessante porque invoca aquele sentimento de “putz! Por que eu não pensei nisso antes?” Invoca também aquela invejinha e aquele comichão de simplesmente copiar, colar e dar o crédito, só pelo prazer de ver aquelas palavras tão bem selecionadas e organizadas enfeitando seu espaço na blogosfera. Eu leio muita gente e esse siricutico já aconteceu várias vezes. Entretanto, vou escolher Memento Mori: retratos da morte, da Cristine Martin do Rato de Biblioteca.

O tema é abissalmente curioso, as fotos são precisas ao ilustrar tudo o que é dito, o texto é informativo sem ser entediante, divertido sem ser displicente com um assunto que é sério, tem um tamanho adequado (não é muito curto e nem muito longo) e ainda nos dá um bom material para refletir e tirar as próprias conclusões. Resumindo: VOCÊ TEM QUE LER

5)      O meu artigo mais útil:
Sinceramente, não sei. Usarei as palavras do Henderson para definir essa situação: não tem nada muito útil por aqui. Mas já que eu tenho que votar em alguém, meu critério é afinidade, Bial. É um jogo… vocês sabem como é. Sem mais delongas, vou de Como NÃO usar um hashi. O texto ficou engraçadinho e, de fato, ensina a manusear os dois pauzinhos japoneses que você usa pra comer comida chinesa. Ou é ao contrário? Bom… tanto faz…

No texto há a descrição e também há fotos. Se você não entender um recurso, pode usar o outro. Se você não entender nenhum dos dois… bem vindo ao clube. Não… sacanagem. Se eu conseguiu usar os hashis com relativa perfeição, você também consegue.

6)      O post com o melhor título que já escrevi
Categoria difícil. Não porque eu tenha escrito inúmero posts com títulos geniais mas sim porque é muito pessoal. Eu posso achar que foi uma sacana que ninguém nunca mais fará igual e você pode argumentar dizendo que estava justamente comentando, naqueles termos, com um tio manguaçado/mamado/bebaça no churrasco de Domingo.

Todavia, creio que seja muito espirituoso de minha parte colocar a seguinte frase como título de um texto: “Ele matou Satanás e comeu sua CNH“. A princípio você não entende nada. Aí você pensa um pouco e confirma que entendeu todas as palavras e tem certeza que juntas elas continuam não fazendo o menor sentido. Aí você resolve separar alguns minutos do seu preciso tempo e lê os parágrafos destinados a explicar aquela maluquice. Pronto. Quase tudo faz sentido. Exceto o próprio texto.

7)      Qual o post que eu gostaria que as pessoas tivessem lido mais (tivessem dado maior importância):

Faço uma baita denúncia com proporções internacionais e ninguém dá bola. GENTE: UM BRASILEIRO PODERIA SER REI DA INGLATERRA e ninguém comenta? Tudo bem que eu não tenho fontes confiáveis nem provas concretas, mas mesmo assim era algo que deveria, ao menos gerar alguns comentários, nem que fossem me desacreditando ou ironizando. Vocês já imaginaram o baita incidente diplomático que poderia ocorrer se meu texto fosse parar nas mãos erradas?

Você realmente precisa de um celebro

Na semana passada redigi um texto que nasceu clássico. Em resumo, meu amigo Thiago deslizou no Português, criando uma nova parte do corpo humano: o celebro. Resolvi sacaneá-lo e ele não entendeu, criando assim uma série de réplicas e tréplicas que me deixaram com a impressão de a) Estou sendo feito de trouxa (ou trollado, como queiram) e b) haja inocência nesse mundo. Lendo o texto você entenderá melhor.

A repercusão foi excelente. Minha amiga Anna Clara foi enfática: Judiação!!! Já outra amiga, srta Vanessa Daniel, fez uma ponderação pertinente: “Quando ele descobrir ele virá com uma resposta do tipo ‘Ahá, te peguei trouxa !’ só pra se mostrar um pouco mais inteligente.” Por essas e por outras o show não podia parar. A continuação dessa epopéia você confere logo abaixo:

Thiago respondeu meu último desafio, que consistia em provar que o celebro ficava na cabeça. Afinal de contas, para mim, o celebro não fica dentro da cabeça. Aliás…. não fica em lugar algum.

por que o celebro nao pode fica em outro canto nao?o celebro vai ficar na barriga é? bm num tem como ele tem que ficar dentro da cabeça nao,e eu acho que é isso

Cá entre nós, tem muita gente por aí controlada pelo estômago. Se for refletir bem, temos pequenos cérebros espalhados pelo corpo, cada um comandando o todo em determinadas situações. Mas isso fica para outro texto. Era hora da minha resposta. E nada melhor do que provocar uma reação diferente no meu amigo:

Você tem razão…. Por que eu não pensei nisso antes? Pra falar a verdade, eu acho esse tal de celebro (que você diz que existe) muito inutil. Eu não preciso de celebro pra nada!

Ignorei a importância do cérebro (ou celebro, enfim), de forma bastante tola. Aproveitei o comentário para deixar um pouco mais claro para ele o motivo dessa brincadeira toda. Achei que dessa vez ele entenderia o recado. Mas é claro – para a nossa alegria – que ele não entendeu. A partir de então, desencadeei respostas curiosamente ríspidas e, de certo modo, impacientes.

HA é jura frank? voce nao precisa de celebro pra nada é? Se voce nao presisase de celebro voce nem saberia digitar e nem controlar essa vaca dessa bailarina,nao é? Voce tem certeza mesmo,que voce não precisa de celebro?

Mas afinal,se tu não tive celebro tu não saberia nem quanto é 2+2.

Dessa vez ele deixou a bola pingando e deu pra ouvir a pelota pedindo “me chuta! Me chuta” (eu disse chuta, ok?). Eu chutei. Incorporei o espírito Beavis and Butt-Head e mandei ver na resposta. É até meio óbvio o que eu deveria fazer. Tão óbvio que não tive como ignorar. Hora de, sutilmente, errar na conta:

Tenho certeza que não preciso de celebro.

E.. dãããããããã 2 + 2 = 5 né? Qualquer um sabe disso!

Do jeito que a coisa estava degringolando, eu previa uma reção um pouco explosiva por parte do nosso amigo (posso chamar de nosso amigo, certo?) Thiago. Eu tinha acabado de insultar a inteligência dele (e não… eu não estava insultando a inteligência dele esse tempo todo). Mas o que veio a seguir superou todas as expectativas:

Huuuuuuuuuuuuuuhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu,palmas para o frank ele sabe mesmo a matematica.Já que ele é tão inteligente assim vamos ver se ele sabe o ingle. which way the dancer is spinning. right or left. O que eu disse nessa duas frases em? sai dessa agora Albert Einsten.

Decidi não engolir essa ofensa. Como bem disse a Vanessa (@vadaniel), chamei pro fight. O inglês não está perfeito, mas ficou simpático. Peço que não liguem para meus erros. Sei que deve haver uns par deles por aí, mas paciência.

Sorry man…

Nice try. Actually, one of my favorite hobbies is to discuss issues related to all types of learning and Internet use by young generations, but I.Q tests. Bullshit

Answering your questions:

1) which way the dancer is spinning: right or left
A: Depends on the point of view. Depends on wich side of your brain you will active.

(…)

Escrevi mais coisas, mas o principal está aí acima. Provei para ele que em Matemática era uma negação, mas inglês eu me garantia. Depois que eu publiquei, bateu um certo arrependimento. Achei, sinceramente, que ele desistiria e nunca mais apareceria. Sentiria falta das risadinhas…. Mas ele é Joseph Climber brasileiro e não desiste nunca.

HOOOOOOOOOOO,ele sabe mesmo não é? Mas eu aposto que ele fez tudo isso usando o celebro minusculo que ele tem,nao foi frank? aposto que foi.

Será que você e Albert Eintein,será que voce nao morreu pra fazer todas essa coisas sem celebro é frank.

Dei sorte. Ele voltou. Hora de fazer as pazes, colocar-se numa posição inferior. Dar a outra face para a bofetada. Só não entendi o que Albert Einstein tem a ver com isso. Que seja. A estratégia agora era partir para base, para os fundamentos do celebro, que, no fim das contas, era o foco da nossa conversa. Foco que foi completamente dispersado.

Hahaha… poxa Tiago. Não precisa ser mau comigo. Eu sou apenas um rapaz latino americano cheio de dúvidas. Não tenho culpa que você é mais inteligente do que eu.

Afinal… o que é um celebro?

Com essa perguntinha marota eu esperava que ele me definisse o que para ele representava um celebro. Uma descrição detalhada? Apenas rabiscos superficiais? Nessa altura do campeonato eu deveria imaginar que do Thiago se pode esperar qualquer coisa. Qualquer coisa mesmo. Gerador de Improbabilidade Infinita ligado a toda capacidade.

Sabe que eu também nao sei comentem essas coisas ai sem nem eu tbm saber. que engraçado não é

É… falhou bonito. Só me restava tentar reascender a chama da discórdia, que tinha virado brasa….

Eu achei que você sabia. Pelo menos chute o que um celebro

Joguei a isca e ele mordeu…

Mas o resultado disso você só vai ver semana que vem. Quando o assunto é bom, temos que fazer render, né?

3 anos e 621 posts depois…

Start spreading the news… nada data de hoje encerra-se a temporada 2009/2010, disparadamente a melhor que este blog já teve. Tudo bem que não foram muitas, mas sem dúvidas, esse terceiro ano foi recheado de surpresas e conquistas que dificilmente serão batidas nos 365 dias que virão. A remuneração financeira ainda não veio, mas fica a certeza que nada paga tudo o que eu vivi no comando dessa espaço, no canto mais brega da blogosfera.

Posso começar justificando as palavras acima dizendo que ultrapassamos a marca de 392 mil visitas. É pouco, considerando que blogs muito mais novos (e melhores) que o meu atingem, sei lá… 50 mil visitas diárias, 100 mil visitas diárias. Por outro lado, é encorajador perceber que a média de público, que dificilmente ultrapassava as 400 visitas diárias, hoje já atinge 600, 700 com certa facilidade. O número de comentários, por sua vez, ultrapassou (recentemente) 4.000.

Esses números não significam nada quando aparecem assim, soltos. Contando com a poderosa aliança com meu Twitter (me siga por lá!), fiz novos amigos (um abraço a Luciana, do Batata Transgênica, a Cristiane, do Rato de Biblioteca e a Débora Capella, do Deh Reloaded) , reencontrei outros, reforcei laços com os antigos. Mais do que números, são nomes, pensamentos, experiências de vida, visões que só acrescentaram no meu modo de encarar o mundo. Agora sim eles tem um significado.

O ramo de conquistas pessoais foi o mais abastecido nesse período. Parece que todas as coisas legais, emocionantes e relevantes esperaram para acontecer nesses 12 meses. Por exemplo: Foram 3 encontros com artistas. Mas não qualquer artista. Tinha que ser alguém que representasse alguma coisa para mim e, como já estou ficando acostumado, sejam desconhecidos do grande público. O primeiro foi o José de Vasconcelos – o mais emocionante e filosoficamente profundo. Alguns meses depois encontrei com os jogadores do time de Masters do Corinthians e do Palmeiras. Por fim, troquei algumas palavras com o escritor e jornalista Zuenir Ventura. Encontro registrado na inédita foto abaixo.

Porra enquadramento!

Surpreendente mesmo foi um comentário que recebi em fins de setembro. Era a Mayara Jordana, jornalista do Diário da Manhã, da gravadora disfarçada de estado, de Goiânia. Ela queria que eu participasse de uma matéria que ela estava escrevendo sobre mentira. O convite foi motivado pelo texto “Minta e seja convincente em 7 passos“. Prontamente aceitei. Fiz um recorte com a parte que sou citado (já que a matéria foi de página inteira) e você pode ler com as letras num tamanho de gente clicando na imagem. Fiz também um post com a entrevista completa.

Por fim, o evento mais relevante desse período. A participação, tuitando e blogando ao vivo, do palco do Teleton 2009, foi a experiência mais intensa que já tive. Tudo estava acontecendo na hora, sem pausas, sem intervalos comerciais. Tanto na bancada quanto no lounge, vi muitas coisas engraçadas, impressionantes, emocionantes. Destaco, entre elas, acompanhar pertinho do placar a virada do primeiro milhão. Como escrevi na época, era a solidariedade se materializando na minha frente. Outro ponto que eu destaco quase um ano depois foi a logística armada para comportar aquela festa. Quem acompanha pela televisão talvez não tenha noção, mas são inúmeros profissionais trabalhando em diversas áreas completamente diferentes. Estruturas que vão muito além do palco e demandam muito mais que cérebros e braços…

Promessas

Virou tradição essa prestação de contas das promessas feitas ano passado. E também já é tradição que eu cumpra todas elas. Veja, por exemplo, a que dizia sobre “reforçar a presença do blog em Itatiba”. Demorei um pouco para encontrar a forma correta de fazer e acabei decidindo utilizar os Despachos de Sábado e Domingo. Nessa série eu posso falar, rapidamente, de vários assuntos que não precisam ter uma correlação. É espaço suficiente para criticar o que não está certo aqui em Itatiba e elogiar tudo aquilo que merece palavras de apoio. “Tiro no árvaro

Quis também inovar nos formatos. Pois é… aí foi mais complicado, mas consegui cumprir. O videocast do Teleton não ficou lá aquelas coisas. Puramente experimental e improvisado, inclusive a porcaria da câmera do celular. Esperem em comprar meu iPhone 3Gs e aí só precisaremos nos preocupar com a qualidade do apresentador do videocast…

Não sei o que prometer para esse ano. Minhas ambições com esse blog chegaram num nível tal que eu acabo arriscado a ser muito otimista ou subestimar as capacidades. Acho que o certo, nesse caso, é tentar manter tudo o que foi feito nesses 3 anos, ou seja, convidar mais pessoas para escrever esporadicamente aqui (como fizeram a talentosa Mariana Belinotte e o sagaz Dhiego Luigi), aumentar minha relevância em Itatiba, realizar outras matérias presenciais e ser mais ousado em novos formatos.

O quarto ano vai começar…

Eins, zwei, drei

Começou.

Você precisa de um celebro!

Como blogueiro experiente que sou, recebo milhares de comentários durante o dia. Até canso de tanto aceitar gente disposta a comentar o que eu escrevo nesse cantinho que todo mundo adora. Alguns são muito inteligentes, outros nem tanto. Alguns são engraçados, outros nem tanto. Alguns são raivosos e outros nem tanto. Mas se tem um tipo de comentário que eu sou fascinado, são aqueles que demonstram a mais completa inocência do comentador.

É o caso do Thiago.

Tudo começou em 26 de junho, quando ele resolveu fazer um simpático comentário no texto sobre o Teste da Bailarina:

Quando essa bairalina sta gire para a esquerda que dizer q vc esta usando o lado esquerdo do seu celebro,e quando ela esta girando para direita quer dizer que voce esta usando o lado direito do seu celebro,entendeu?

Como vocês puderam notar, houve o uso equivocado da palavra cérebro. Não foi exatamente um erro de digitação, já que ele escreveu na primeira linha e confirmou na segunda. Resolvi dar uma sacaneada, afinal, ninguem é de ferro.

Ahhhhhhh… Então o segredo todo está no celebro? Tanto faz o sentido? horário ou antiorário? hahahahaha… eu “si divirtu aqui”

Minha intenção era só brincar com a situação e fazê-lo perceber (caso voltasse ao blog) que ele havia cometido o tal engano. Coisa normal… acontece com todo mundo. Ele iria consertar e tudo ficaria certo. Mas não foi o que aconteceu. Ele voltou sim, ao blog, e resolveu insistir na tese:

“pxi mas e verdade o segredo ta no celebro se teu celebro for dso tamanho de um piolho voce nao conseguira controla endtendeu”

“pocha veio e claro q quando tu vai escreve tu vai digitando isso qual quer um consegue.Mas eu t o falando dessa bailarina tu ta usando os dois lados do celebro entendeu?mas bem quando agente ta digitando agente usa a parte do meio do celebro nao?”

Quando eu li a tréplica, fiquei sinceramente na dúvida se EU estava sacaneando o cidadão ou se  EU ERA o sacaneado. Já que a semente tinha sido plantada, não vi outra escolha senão regá-la e esperar que desse frutos. Novamente me coloquei no papel de ignorante – no sentido de quem ignora algo – e fiz outra comentário pseudo-engraçadinho.

“Ahhhhhh, agora entendi Thiago… Porque você não disse antes? Se eu usar o celebro digitando ela gira pra um lado e se eu usar o celebro cantando ela gira pro outro! Tão simples! Só usar o celebro”

Agora estava decididamente curioso para saber se haveria ou não uma resposta. Qual seria o limite dessa brincadeira inocente que começou com uma palavra escrita de forma errada? Algum tempo depois chegou a tão esperada migalha de sabedoria:

nooooooooooooooooosaaaaaaaaaaaa veio e claro se tu num tive um celebro como e q tu faz em?

entqo se ela ta girando pro lado esquerdo tu ta usando o lado esquerdo,se tu nao usar teu celebro com e qeu tu faz em me explique isso?

Juro que tive que esperar um tempo para me recompor dessa. Já que estávamos numa situação de calamidade pública, resolvi chutar o balde logo de uma vez. Já que era pra esculhambar, vamos esculhambar direito.

Precisa de celebro? Mas onde fica o celebro, afinal?

Repare que em todas as minhas respostas e perguntas, a palavra celebro, grafada errada mesmo, estava presente. Achava que uma hora ou outra um insight se apossaria da mente do cidadão e ele perceberia a bola de neve. Isso se não fosse tudo premeditado e era ele quem estava me testando. A nova resposta não tardou a chegar, afinal eu havia feito uma pergunta pertinente…

naoooooooooo po,se tu tentar fazer isso ai semcelebro como e que tu faz em me diz.

ae a pergunta de antes o celebro fica na cabeca neee!

Fiquei aliviado, afinal, ele sabe que o celebro fica na cabeça. Vamos forçar um poquinho mais?

Na cabeça? Mas poxa… na cabeça fica o olho, o ouvido, o nariz, a orelha…. Por mais que eu olhe no espelho, não consigo ver o celebro! Tem certeza?

A última resposta  recebi dia 4 de julho, ou seja, ontem. Ja fiz a minha argumentação (logo abaixo) e espero a resposta. Vocês, leitores espertos, sagazes e engraçadinhos: Como fazer para ajudar nosso amigo Thiago a perceber que célebro só existe no cérebro dele?

mas e claro hora essa.Mas eu nao falei em que lugar da cabeça,nao foi,mas eu falo agora o celebro fica na parte de dentro da cabeça, entendeu agora?

Puxa… o celebro fica do lado de dentro da cabeça! Que engenhoso…

Mas você já viu um celebro dentro da cabeça? Como é que você prova que o celebro fica dentro da cabeça? Hein? Sai dessa agora….

A história de um boato: Lima Duarte morreu?

O Trending Topics do Twitter serve para várias coisas. Ultimamente tem servido para sacanear o narrador da TV Globo, Galvão Bueno. É comum também que seja palco de demonstração de… carinho (?) de fãs xiitas com astros (?) do rock pop romantico internacional. É um tal de #BrazilLovesDadáMaravilha pra cá, #HappyBirthdayAlbertEinsten pra lá… frases inteligentes, com um conteúdo político-social do mais alto garbo. Coisa fina freguesa.

A função mais curiosa do Trendig Topics, entretanto, é servir de obituário instantâneo. A pessoa morre e momentos depois algum espalha a notícia, que é Retuitada várias vezes, até virar notícia em portais de notícia, reiniciando o ciclo, já que as notícias são postadas no Twitter e comentadas. Mas e quando a pessoa em questão NÃO MORREU? Well… vai parar nos TT (abreviação de Trending Topics) de qualquer maneira. E se mantém lá porque é desmentida e então ocorre o interessante fenômeno da dúvida, gerando mais hyppe.

Na noite desta terça-feira, dia 22 de junho, a frase LIMA DUARTE MORREU apareceu no TTBr. E, dessa vez, era mentira.

Como a história era recente, resolvi escarafunchar os arquivos do Twitter a procura do responsável por soltar essa bomba falsa. Fui vasculhando as menções a “Lima Duarte morreu” e sempre caia em RT atrás de RT. Muitos afirmavam e diziam estar muito tristes, outros simplesmente duvidavam, e ainda havia aqueles que o comparavam a Hebe Camargo: Nunca vão morrer.

Mas a verdade é que alguém havia começado e eu queria descobrir o responsável. E descobri. Quer dizer… descobri parcialmente. O Twitter não me deixou avançar muito mais. Contudo, o que apurei já pode ser considerado uma vitória. Acompanhe:

A primeira menção a morte de Lima Duarte foi uma pergunta do usuário @gutuh. A pergunta foi motivada por um comentário da mãe dele. Veja:

Escrevo esse texto em torno da meia noite, portanto, por volta das 22 horas o boato surgiu. Antes disso, a menção ao Lima Duarte é feita de uma forma totalmente diferente. O tweet dizia que sempre que “o Lima Duarte aparece na tevê, confunde com o Raul Cortez, que já morreu“. Ou algo do tipo.

Mas é bom que se diga que ele, @gutuh, não tem culpa. Foi apenas uma pergunta involuntária, que contou com dois fatores para acabar parando no TTBr.

Primeiro Fator: A verdadeira morte do Lima Duarte. Digo… do Ewerton Lima Duarte: Lá pelas 12:30 minutos, a Globo Minas postou a notícia que um jovem chamado Ewerton Lima Duarte havia falecido durante uma corrida de kart. Isso é um ponto. Depois que o boato ganhou força, foram pesquisar no Google e acabaram achando a notícia, gerando mais comentário. Achavam que tinham descoberto a verdadeira origem.

Segundo Fator: A Morte de Anselmo Duarte, cineasta: Apesar do fato ter ocorrido em 2009, como mostra essa reportagem da Folha Online, a morte do cineasta foi outra possível origem abordada pelos usuários. Ao fato, acrescenta-se que o próprio Lima Duarte era amigo do verdadeiro presunto, digo, falecido.

Entrei em contato com o @gutuh e ele, muito gentilmente, deu a explicação:

Eis a verdadeira explicação para o boato da Morte do Lima Duarte no Twitter.

É bom o povo ficar esperto. Tá ficando difícil confiar, não no que é dito no Twitter, mas nos brasileiros em geral…

UPDATE: Agora o fajuta morte do Lima Duarte foi parar no TT Mundial. Que coisa…

Pasmem: Fui plagiado. Mais de uma vez.

Sei que a afirmação a seguir chocará muitos de vocês. Eu mesmo demorei algum tempo para assimilar o fato e conseguir transformar meu sentimento em palavras que preenchem essas mal traçadas linhas. A questão é: EU FUI PLAGIADO. Sim… para mim também é extremamente bizarro pensar que alguém tem coragem de ler e gostar de um texto escrito por mim (não se ofenda). Mas o pior de tudo é pensar que uma mesma pessoa tem a capacidade de, também, copiá-lo e postá-lo em seu próprio blog como se fosse de sua autoria. ISSO sim é constrangedor.

Logo de começo afirmo que não sou contra utilizar textos do meu blog ou de qualquer outro em blogs alheios. Um dos princípios fundamentais da internet, além da liberdade de expressão é a liberdade de compartilhar tudo aquilo que você tenha achado digno de nota. Quando criei o blog em julho de 2007, no entanto, decidi adotar uma linha editorial (leia estilo) em que a criação de conteúdo próprio fosse não só majoritária mas também padrão. O que não significa que eu já não tenha compartilhado algumas coisas aqui (veja o texto do Moacyr Scliar, por exemplo), sempre, no entanto, colocando de onde vieram aquelas ideias organizadas em forma de texto.

Posto isso, vamos ao blog do Sr. Alan Junior de Queiróz. No dia 13 de dezembro de 2009, o referido senhor postou um texto com o título 50 coisas que aprendi com Silvio Santos. Até aí tudo bem… mas… epa… é uma cópia exata e integral do original postado em 04 de agosto desse mesmo ano aqui no Ideia Fix.
A informação mais relevante nessa história é que ele é… estudante de jornalismo. Plagiado por um estudante de jornalismo! (Agora é a hora que você faz sua cara de espanto número 31). Que espécie de jornalista vai se formar se, desde jovem, já começa a carreira plagiando?

Plágio, segundo o dicionário Aurélio, é “Assinar ou apresentar como seu (obra artística ou científica de outrem)”. A origem etimológica da palavra ilustra o conceito que ela carrega: vem do grego (através do latim) ‘plagios’, que significa ‘trapaceiro’, ‘obliquo’. (do site MicroBiologia)

Obviamente não fiquei calado ao ver aquela aberração. Escrevi um recado muito simpático para o dito que cujo e ele, claro, não aprovou. Mandei outro recado igualmente simpático antes de começar esse texto e, até o fechamento do mesmo, não havia sido aprovado. E duvido que o fará, para ser sincero.

A questão aí não é simplesmente ter um texto seu publicado em outro lugar sem fonte. Plagiar é desprezar e, pior, desconsiderar todo o trabalho intelectual e porque não braçal do autor, relegando-o a uma posição inferior a que ele realmente pertence. É ignorar que ele pensou, pesquisou, corrigiu, reescreveu, avaliou… Qual o grande problema em atribuir crédito a outra pessoa? Ninguem percebe que dar um control C Control V é passar um atestado de incompetência? Como eu disse acima, não há problema em compartilhar, desde que fiquei claro que fui eu (ou uma terceira pessoa) quem escreveu. Ainda segundo o site MicroBiologia (com o qual concordo integralmente): “portanto, podemos ter fracassados que são um sucesso e pessoas sem ética tidas como parâmetros de conduta.”. O errado vira exemplo do que é certo.

Para não dizerem que eu sou chato, egoísta e etc etc etc, deixo aqui um outro caso. Um site que disponibiliza links para download de shows utilizou parte do meu texto sobre o André Rieu para ilustrar a descrição. Não fiz questão de cornetar.
É bom lembrar que plágio é passível de punição jurídica. Não chegarei a tanto, já que pra mim internet não é tão “serius business” assim. O que eu quero com esse texto é alertar que fico incomodado quando sou desrespeitado no que diz respeito a proteger o que foi criado por mim. Seria muito fácil colocar aqui textos das pessoas que admiro. Como blogueiro e cidadão ético, prefiro recomendar que visitem o blog da Dona Batata ( Lu Naomi), o do Henderson Bariani, o da Mariana Belinotte e o da Cristine Martin pra me manter num círculo restrito de blogueiros anônimos. Se quisesse incluir os famosos, chupinharia o José Luiz Teixeira, o Torero, o Birner e tantos outros nobres escribas…

Tenho para meus textos um ciúme paternal. A diferença é que o rebento não chora pedindo leite ou por ficar com a fralda toda borrada durante a noite. Mas dá um orgulho o meninão….