Como fazer seu próprio Big Bang

É fato que a humanidade gasta milhões de dólares para descobrir novos métodos de se matar. Vi uma frase que exemplifica bem isso: “Para matar uma formiga, uma simples pisada basta. Mas as vezes é mais garantido matá-la com uma britadeira-pneumática.. além de ser mais legal”

Seguindo essa máxima, os cientistas pretendem testar, em meados de setembro de ano, um Large Hadron Collider (LHC).

Agora o caro leitor e a querida leitora me perguntam: Mas o que diabos é um “Large Hadron Collider”? Resposta: Coisa de físico. Vou tentar explicar sem me enrolar de tal maneira que caia chorando em posição fetal. O LHC é um acelerador de partículas subatômicas (ou seja: léptons, quarks, hádrons, bósons, etc).

Com essa geringonça, localizada a profundidades que variam de 50 a 150m, eles vão , literalmente, brincar de trombar essas partículas à velocidades inacreditáveis. Aí o leitor me pergunta: “Mas por que tão fundo?” Resposta: A força que resultará da “trombada” será inacreditavelmente grande. Cerca de 14 TeV. Eu não sei exemplificar quanto vale 14 TeV, mas, considerando que tem gente se borrando com medo de dar alguma merlin, a quantidade de energia deve ser absurdamente ignorante. Tanto é verdade, que há uma pequenina probabilidade de, quando eles ligarem o LHC e o túnel de bate-bate de partículas subatômicas funcionar, os cientistas criarem um buraco negro que engoliria a Suiça, a Europa, o planeta e por fim o universo.

Mas essa é uma probabilidade pequena. Nota mental: Rezar para que Murphy esteja de férias… em outra dimensão.

Lendo sobre o assunto, pude encontar algumas teorias catastrofistas tão impressionantes que vale a pena colocar aqui: Vamos imaginar que o LHC dê errado. Quais serão as conseqüências?

  1. Buraco negro: Expliquei anteriormente. Sugaria tudo o que encontrasse pela frente, ficando cada vez maior e sugando cada vez mais coisas, cada vez mais rápido. Ou seja. Um liquidificador do mau
  2. Iniciar uma transição para um diferente estado de vácuo quântico – Esse vou explicar com a seguinte analogia: Imagine uma bolha de sabão no vácuo e que dentro dessa bolha de sabão está esse nosso cantinho do Universo e que essa coisa absurda esteja em equilíbrio estável. Agora, imagine uma agulha gigante estourando a bolha. LHC = Agulha Gigante. (Definição copiada na cara de pau do blog Efeito Ázaron)
  3. Produção de uma Fenda Interdimensional – Essa fenda poderia trazer criaturas de outras dimensões para a nossa. Isso pode não ser inteiramente ruim, pois 0,0032% das criaturas interdimensionais são boazinhas. Portanto podemos ter essa sorte e não acabar sendo destruidos por uma raça interdimensional! (De novo do Efeito Ázaron)
  4. Dores de cabeça: É provável que você sinta dores de cabeça, mas, lendo os 3 itens acima, esse será o menor dos seus problemas….

Agora a leitora me pergunta: Não pode ser tão perigoso assim, pode? Resposta: Sim e não. Não, porque os cientistas garantiram que a probabilidade é tão pequena que vale a pena tentar. E sim… exatamente porque os cientistas garantiram que a probabilidade é tão pequena que vale a pena tentar.

Fora isso, a imagem abaixo fala mais do que eu.

A linha tracejada representa o tamanho do brinquedo

A linha tracejada representa o tamanho do brinquedo (O.o)

Bom… só nos resta torcer para que dê tudo certo…

Ah sim.. só mencionando que, trabalhando no experimento, estão cerca de 30 brasileiros.

Uma última observação: Os cientistas esperam poder estudar partículas sub atômicas que eles sabem que existem, só não conseguiram até então, encontrar uma forma de trabalhar com elas. Ainda sugindo os cientistas, foram essas partículas que deram origem ao Big-Bang (não.. não o de Londres).
Então… se você quiser fazer seu próprio Big-Bang, é só construir um LHC aí mesmo, no sub solo da sua casa e brincar de chocar hadrons, mézons…. coisa simples