Zeca Baleiro

E a OPINIX musical voltou! Ele, como 99% dos maranhenses, é José Ribamar ou se quiserem, Zeca Baleiro. Dono de uma extrema inteligência ao compôr, Zeca é um dos melhores nomes surgidos nos últimos 20 anos de MPB.

Com sua voz “mole” ele circula das letras melosas até a irreverência de maneira bem rápida. Entre seus sucessos destacam-se Lenha, Quase Nada e Telegrama. Isso sem falar nas participações e nas regravações como são os casos de Proibida para mim do Charlie Brown Jr e Vapor Barato, dueto com Gal Costa.

Outra característica interessante de suas letras é que elas são ritmadas parecidas com “repentes”, tradicional expressão nordestina. Eles possuem versos rimados e quem não fica esperto, se embola na hora de cantar.

 Site Oficial: http://www2.uol.com.br/zecabaleiro/

Discografia

  • (2012) O disco do ano • Som Livre • CD
  • (2010) Trilhas • Saravá Discos • CD
  • (2010) Concerto • Selo Saravá Discos • CD
  • (2008) Cubo – Trilha sonora • Saravá Discos • CD
  • (2008) O coração do Homem-Bomba volume 1 • Saravá Discos/MZA • CD
  • (2007) Geraldas e Avencas – Trilha sonora • Saravá Dsicos
  • (2006) Ode descontínua e remota para flauta e oboé – De Ariana para Dionísio • Saravá Discos •CD
  • (2005) Baladas do asfalto & outros blues • MZA/Universal • CD
  • (2005) Um pouco de mim – Sergio Natureza e amigos • Selo SescRio.Som • CD
  • (2005) Amorágio • Selo SescRio.Som • CD
  • (2005) Sérgio Godinho – O irmão do meio • Portugal • CD
  • (2005) Música • Coleção Ruptura Réptil/Poesia para ouvir • CD
  • (2003) Casa tudo azul • CD
  • (2003) Raimundo Fagner & Zeca Baleiro • CD
  • (2002) PetShopMundoCão • MZA/Abril Music • CD
  • (2001) Líricas • PolyGram • CD
  • (2000) XXI • Independente • CD
  • (1999) Vô Imbolá • PolyGram • CD
  • (1998) Balaio do Sampaio • MZA/PolyGram • CD
  • (1997) Por onde andará Stephen Fry • PolyGram • CD
  • (1995) XIII FAMPOP • (vários) • CD

Opinix: Roberta Sá

Hoje, volto a falar da nova MPB, para alegria de alguns (e algumas.. hehe).

O nome da vez?? Roberta Sá.

Roberta nasceu em Natal (RN), em 19/12/1980. Ela foi apresentada a Beatles, Jovem Guarda, MPB e à músicas regionais por seus pais.

Aos 8 anos se mudou para o Rio, e aos 18 foi fazer intercâmbio nos EUA e teve  seu primeiro contato musical, em um coral.

Quando voltou ao Brasil (além do canto) cursava jornalismo, até entrar para o programa Fama e lá conhecer gente que a colocaria no cenário da MPB.

A cantora tem um trabalho voltado para o bom samba e a Bossa Nova como quando interpretou Chega de Saudade, canção de João Gilberto que “inaugurou” o estilo musical que ficou conhecido no mundo inteiro.

Ela também empresta o seu lado de jornalista apresentando o Faixa Musical no Canal Brasil na TV por assinatura. No programa sempre é apresentado um grande show de um grande nome da nossa música ou de gente nova como a própria Roberta.

A música brasileira tem salvação!!

Roberta Sá por natymag.    

Discografia

2004: Sambas e Bossas

2005: Braseiro

2007: Que Belo Estranho Dia Para se Ter Alegria (Disco de Ouro)

 2004: Sambas e Bossas

2005: Braseiro

2007: Que Belo Estranho Dia Para se Ter Alegria (Disco de Ouro)

 DVD

2009: Pra se Ter Alegria

Site oficial:  http://www.robertasa.com.br/

Se você, gostou dessas mal traçadas linhas e quiser me seguir:  http://twitter.com/carlaojr

Opinix: Wilson Simonal

A OPINIX músical está de volta e com um cantor “rei da malandregem” – o polêmico, Wilson Simonal.

Nascido em 26 de Fevereiro de 1939, no Rio de Janeiro, Simonal foi talvez o primeiro cantor negro a fazer grande sucesso no cenário musical brasileiro.

Ele começou a cantar em bailes e em 1963 lança seu primeiro disco  “Tem algo mais”.

O seu jeito cheio de swing e uma voz potente logo o levaram para as “paradas de sucesso” nas décadas de 60 e 70. Foi na década de 70 que ficou amigo da seleção brasileira tricampeã do mundo de futebol, no México na copa de 70, e assim, acabou ficando companheiro dos jogadores, do rei Pelé, principalmente.

Em 1972, a sua brilhante carreira iria sofrer um duro golpe. O cantor foi denunciado ao DOPS-orgão de repressão da ditadura militar como um suposto informante dos militares.

A partir dai, sua carreira marcada de sucessos como “País tropical”- música de Jorge Ben Jor, “Meu limão, Meu limoeiro” e “Sá Marina”- canção que depois foi regravada por Ivete Sangalo, nunca mais foi a mesma.

Wilson Simonal nunca conseguiu se livrar da fama de “dedo duro ” em vida e morreu esquecido pela mídia em 25 de Junho de 2000, no Rio.

Em 2003, concluído o processo, o cantor foi moralmente reabilitado pela Comissão Nacional de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em 2009, foi lançado “Ninguém sabe o duro que dei”, documentário sobre a vida do cantor co-dirigido por Claudio Manoel, Micael Langer e Calvito Leal.

Wilson_simonal

OBS:ele é pai dos competentes musicos Simoninha e Max de Castro

Fonte: Dicionário MPB

Siga-me no Twitter!

Opinix: Zélia Duncan

Voltei com uma “Opinix” musical. Hoje falo sobre Zélia Duncan.

Nascida no dia 28 de Outubro de 1964 em Niterói/RJ, Zélia Duncan marca com sua voz potente a MPB e o pop rock brasileiro.

Começou na década de 80 tocando em bares de Brasília, na noite, até estourar a partir de 90 com sua carreira profissional. Seu primeiro grande sucesso foi Catedral (clique aqui para ouvir) versão sua em parceria com Christian Oyens.

Notinha do Frank: Alguns alunos lá da Letras me falam: “O que é que a Zélia Duncan tá fazendo aqui”? Um dia vocês vão entender, eu digo.

Esta canção “abriu portas” para o sucesso junto ao grande público. E aquela menina que se mudou para a capital federal e se apresentava em espaços alternativos, tornou-se mais madura musicalmente.

Em 1994, ganhou o Prêmio Sharp como cantora revelação pelo álbum “Zélian Duncan”.

E ai.. não parou mais, vieram parcerias com Hebert Vianna, Rita Lee, Simone entre outros. Zélia continua na ativa desfilando seu sucesso Nos Lençóis desse Reggae.

No silêncio uma catedral
Um templo em mim
Onde eu possa ser imortal

Outros Sucessos (clique nos nomes para ouvir): Pagu, Eu Me Acerto e Alma.

A atual turnê leva o nome “Pré Pos Tudo Bossa Band”. Confira mais sobre esse ícone da MPB em seu site oficial

Opinix: Luiza Possi

Hoje vou falar sobre a nova MPB e a primeira mulher (finalmente!! Hehe):

LUIZA POSSI

 Nascida na cidade de São Paulo, é filha da também cantora Zizi Possi e do produtor músical Liber Gadelha. Claro, Luiza começou a cantar cedo. Com 16 anos integrava bandas pop/rock de “garagem”, na capital paulista.

Pros cuecas: Não é uma beleza?

Depois de cantar nessas bandas e participar de festivais digamos, “médios”, veio o convite para cantar ao lado de sua mãe no “Programa do Jô”, e junto com ele (com o convite) a passagem para o sucesso.

A partir dai vieram os CD’s “Dias Iguais“, “Pro mundo Levar” já em uma levada mais “pop”. Neste último destaca-se a regravação de “Over the Rainbow” do filme O mágico de Oz.

O sucesso foi estrondoso e ai não parou mais. O seu primeiro trabalho estilo MPB foi o albúm Escuta.  O CD/DVD ” A vida é mesmo agora” no qual ela faz uma releitura de seus sucessos e regrava músicos como Paulinho Moska, Herbert Vianna, Chico Buarque e Quincy Jones, veio para solidificar sua carreira.

E agora ela está na Praça com seu novo trabalho “Seguir Cantando” em CD e DVD .

Atualmente ela está como jurada do programa Ídolos da Rede Record, também

Quer conhcer mais? Acesse o site oficial oficial da cantora E a siga no Twitter

(Nota do Frank: Sem querer ser acusado desnecessariamente de machismo, já vou avisando: a Luiza merece 2 fotos várias fotos)

luiza_possi_fnac

PS: Depois de um longo e tenebroso inverno, a OPINIX está de volta!!

Crédito das fotos: Gabriela Borini, no pocket show na Fnac de Campinas

 

Sigam a Gabi.. vale a pena:

www.twitter.com/gborini

UPDATE: A cantora acaba de lançar o DVD  “Seguir Cantando” e Luiza está “rebelde”.

 


Opinix: Roupa Nova

Se você minha cara se acha… TÍMIDA e um pouco SENSUAL, com a FELICIDADE de fazer A VIAGEM SEGUINDO NO TREM AZUL, numa CANÇÃO DE VERÃO, sentindo o SAL DA TERRA que é LINDA DEMAIS, esperando CLAREAR para ver o BEM MAIOR dizendo DEIXA O AMOR ACONTECER, usando um lindo SAPATO VELHO fazendo TUDO BEM SIMPLES como um ANJO com um sorriso aberto e uma ROUPA NOVA.

Eu sou o COMEÇO MEIO E FIM, que sempre está DE VOLTA PRO FUTURO em UM LUGAR NO MUNDO, sonhando um VÔO LIVRE pra entender que OS CORAÇÕES NÃO SÃO IGUAIS; querendo viver UM SONHO A DOIS pra ser A METADE DA MAÇÃ, com um CORAÇÃO PIRATA pedindo VOLTA PRA MIM porque ANDO MEIO DESLIGADO.

Clique na foto para acessar o site oficial

A banda é formada por Kiko, Feghali, Serginho, Paulinho, Nando e Cleberson com mais de 30 anos de estrada. Com certeza uma das maiores bandas vocais “terráqueas” de todos os tempos… (Sim, porque os “Beatles” são de outro planeta).

PS: Texto adaptado por mim e feito pela amiga Talita (hiperfã dos caras).

PS 2: Tudo que está com letras maiúsculas são títulos de músicas compostas e regravadas pelo grupo

Opinix: Chico Buarque

Hoje vou tentar apresentar a “opinix” músical de um jeito poético.

Chico viu a A banda passar.. ao lado da Beatriz,Geni, e ainda eternizou Iolanda.

Todas Mulheres de Atenas, do Brasil.. do mundo.. Gente Humilde em sua maioria.

Tentou dar um Cale-se na ditadura milítar em uma intensa Roda Viva.. evocou Angélica.. ela só queria embalar o seu menino perseguido e assassinado.

Compôs para Nara..  fez o Tango de Nanci. Esse é Chico de tantas letras e Marietas..

Chico.. um dos monstros da Construção da MPB.

 PS: todos os nomes em negrito são nomes de canções desse gênio. (algumas apenas) de um repertório vasto.

SITE: http://www.chicobuarque.com.br/

Opinix: Kleiton e Kledir

Hoje volto com um assunto musical.

Vocês conhecem a dupla isso a dupla de MPB, Kleiton e Kledir?

NÃO???? Então eu vou tentar apresentá-los…

Nascidos em Pelotas/RS, os irmãos Kleiton e Kledir Ramil sempre viveram em um ambiente musical, mas a carreira deles começou mesmo quando se mudaram para Porto Alegre, onde foram para vida universitária.

Na década de 70, com mais 3 amigos, formaram o grupo “Almôndegas” na qual começaram a mostrar o que a música popular gaúcha tinha. A banda lançou 4 discos e depois de muito sucesso em seu estado natal se mudaram para o Rio de Janeiro.

No início da década de 80 os dois se lançaram como uma dupla, e ai o sucesso foi total.

Com letras bem humoradas que retratavam (e ainda retratam) o folclore gaúcho, sem esquecer da temática amorosa – utilizando para isso muitos termos regionais -  eles se firmaram no cenário musical nacional.

Suas composições foram gravadas por Simone, Fafá de Belém e muitos outros. Fora do Brasil elas estão presentes no repertório dos argentinos Fito Paez e Mercedes Sosa.
Alguns sucessos são “Paixão” e ” Vira Virou“.
Veja um pedacinho da “Deu pra Ti“, um outro sucesso da dupla:

Quando eu ando assim meio down
Vou pra Porto e…bah! Tri legal
Coisas de magia, sei lá

Paralelo 30

Quer saber mais??

http://kleitonekledir.uol.com.br/

http://letras.terra.com.br/kleiton-e-kledir/

Até Sexta que vem!!

(Nota do Frank:  Para os imundos que só leram as palavras “gaúcho”, “Pelotas, “almôndegas” ,”vira virou” e depois viram a foto, um aviso: Ambos são casados e têm filhas que justificam a fama gaúcha das belas mulheres. Mais um detalhe: a expressão “Deu pra Ti” significa basta, chega…. E que não fiquem mal entendidos!)

Opinix: O clube da esquina

Olá! Voltei hoje com uma curiosidade. Uma curiosidade musical…

Você sabe o que é o Clube da Esquina?? Não?? Eu vou, nas minhas humildes palavras, tentar explicar.

O clube foi – e ainda é – um dos movimentos musicais mais influentes da história da MPB.

Nascido nos bares de Belo Horizonte nas décadas de 70 e 80, conta com cantores e compositores como Milton Nascimento, Beto Guedes, Lô Borges e compositores como Fernando Brant, Ronaldo Bastos e Wagner Tizo. Eles começaram a tocar, além dos bares tradicionais, em bailes nos clubes da capital mineira – isso antes da fama.

Com letras que vão da temática amorosa, passando pelo orgulho de ser mineiro, pelas belas paisagens de Minas, até letras com cunho de contestação política, o movimento ainda se renovou com a presença de bandas como, por exemplo, o “14 bis”.

Destacam-se canções como Amor de índio, Caçador de mim e “Trem azul” – todas com um profundo que prosaico e intelectual.

Vale a pena conferir essas e muitas outras canções!!

Até sexta que vem!!

Obs: O “Bituca“, na foto, é justamente o Milton Nascimento.