F1 2010: ABC da temporada

Não somos exatamente um José Roberto Torero, mas tomamos a liberdade de usar o estilo de texto em forma de alfabeto para resumir e analisar a temporada 2010 da Fórmula 1. De A a Z, a melhor retrospectiva que você poderá encontrar. Essa é para guardar para a posteridade. Sem mais.

A, de Alemanha: O país do chucrute agora tem 8 títulos mundiais. Empatou com o país da caipirinha. A liderança ainda está com a terra da Rainha (14 taças). Nossos hermanos tem 5 títulos (Faaaannnnjo!). A lanterninha fica com África do Sul e Canadá (1 mundial cada). Fora os outros 200 países que nunca conquistaram nada. Briga interessante.

B, de Bruno Senna: Não foi exatamente a estréia que todos esperavam. Com um sobrenome desses, muita gente imaginou que o rapaz ia montar em sua Hispania e sair ultrapassando todo mundo. Infelizmente, sobrenome não faz piloto nem carro. A Hispania lhe deu uma carroça totalmente projetada por computadores e sem nenhum teste em pista de verdade. Senna foi obrigado a se adaptar ao carro e não o contrário. Só poderemos torcer para um 2011 um pouco mais feliz.

C, de Christian Klien: *Silêncio*

D, de Disputa: A do ano passado foi sensacional. Tanto pelo campeonato quanto as internas. A melhor foi na campeã Red Bull. Webber era mais regular e Vettel desastrado. Webber estava sempre próximo da ponta e liderando o campeonato. Vettel só foi o primeiro dentre os pilotos ao final da última prova (que é quando realmente vale, né?). Na pista, ambos conseguiram unir as rodas em matrimônio e abandonar a prova. Fora dela, troca de farpas  e guerra psicológica. Melhor pro “lemão”.

E, de Escuderias: A Ferrari começou arrasadora. Perdeu-se no meio do campeonato até concentrar forças em Alonso. A Red Bull começou mal e, quem diria, terminou com o melhor carro da temporada, campeã de construtoras e de pilotos. A McLaren deixou o pau comer entre Lewis e Jason, foi a terceira melhor e ainda teve o gostinho de ter 2 pilotos ingleses, campeões mundiais, ganhando algumas corridas e liderando o campeonato.

F, de Fernando Alonso: Um Schummacher espanhol. Assim eu defino Don Alonso das Astúrias. É um baita piloto e sua gana pela vitória é seu maior trunfo e, paradoxalmente, defeito. Na metade do campeonato falou que seria campeão. Todo mundo riu e o desacreditou. Venceu corridas, conquistou pódios e assumiu a ponta. Embasbacou meio mundo. Só perdeu a taça na última corrida, quando não conseguiu ultrapassar Petrov e Kubica. Revelou seu outro lado Schummacher ao não aceitar a derrota, criticar sem motivo o russo que o venceu e compactuar com o vale tudo da Ferrari. Isso sem falar no Nelsinho Gate, né?

G, de Guilhotina: Ficou claro que vão continuar na temporada 2011 os pilotos que trouxerem melhorias no carro, resultados e dinheiro. Não necessariamente nessa ordem. Hulkenberg já rodou. Será substituído pelos petrodólares do venezuelano Pastor Maldonado. Bruno Senna foi obrigado pela equipe a passar o fim de semana do GP da Inglaterra procurando investidores para transformar sua carroça em, ao menos, um protótipo de F1. A dança das cadeiras já começou e quem não sentar na grana vai ficar de fora. Amém. O que vimos na Virgin e na Hispânia nesse ano é de chorar de desgosto.

H, de Horner: Christian Horner foi o chefe da escuderia campeã de 2010. É o responsável, junto com Dietrich Mateschitz, por evitar o jogo de equipe na Red Bull. Ao contrário da Ferrari, que ordenou Massa abrir para Alonso quando o campeonato ainda não estava afunilado, Horner manteve o “pega pra capar” em sua equipe até o último fim de semana. Tudo bem que havia, sim, uma clara preferência por Vettel, entretanto, não se traduziu em sacanagem. Os dois pilotos puderam brigar até a ultima prova pelo título. Definitivamente, Horner deu asas à lisura na F1.

I, de Interlagos: Dessa vez nosso bom e velho circuito canarinho não decidiu o título do mundial de pilotos. Entretanto, fez a Red Bull campeã de construtoras e definiu quem ainda tinha alguma chance. Não é o bastante. Ano que vem seremos novamente o GP que encerra o campeonato, pra felicidade dos pilotos que se amarram numa maminha. Ao menos continuamos na lista dos melhores circuitos da F1 – em relação a traçado, tempo, competitividade. É nóis!

J, de Jogo de Equipe: Você é contra ou a favor? Massa deixou o corredor livre para Alonso passar, depois de um recado nada cifrado da sua equipe. O mundo caiu matando pra cima dos dois e da escuderia. O regulamento proíbe em qualquer circunstância, mas tenho certeza que se fosse feito na última volta da última prova, todo mundo elogiaria. Dois pesos e duas medidas. Alguns defendem que o regulamento seja revisto. Outros nem consideram a Fórmula 1 como esporte, exatamente por essas maracutaias explícitas. 2011 será o ano da lisura ou teremos alguém “faster than you“?

K, de Kamui Kobayashi: O mito. A lenda. No circuito de Yeongam foi o primeiro a colocar pneus intermediários, enquanto todos os outros medrosos ficaram com o de chuva intensa. Tem um estilo agressivo de pilotar. Vai para cima dos outros pilotos e é cego quando se trata de nomes ou escudeira. Pra ele tanto faz. O GP do Japão – no quintal de casa – foi sua maior glória nessa temporada. Mora em Paris e não tem medo de pagar impostos. Esse japonês vai longe!

L, de Lucas di Grassi: “Fiz o melhor que pude com o que eu tinha“. Di Grassi tem razão. Deram uma carroça para ele dirigir e mandaram o cidadão se virar com aquilo. Muitos abandonos e algumas corridas completas. Não passou nenhuma vez para o Q2. Bom… definitivamente não dava para esperar muita coisa de um carro feito as pressas.

M, de Massa: Felipinho foi de herói a bandido. Do céu ao inferno. Depois de ser campeão mundial por alguns segundos em 2008, só fez descer ladeira. A queda mais acentuada ocorreu depois do casco de tartaruga que tomou de Barrichello. Depois disso nunca mais foi o mesmo. Para completar, tomou parte na marmelada da Alemanha. Não é a toa que a torcida gritou “Rubinho! Rubinho!“, em vez de “Massa! Massa!“. Para a próxima temporada, vai precisar de, no mínimo, mais tranquilidade e concentração.

N, de Nico: Nico Rosberg é alemão. Michael também. O segundo tem 7 campeonatos mundiais e o primeiro não tem nenhum. Isso, no entanto, não impediu que o pequeno alemãozinho desse um verdadeiro banho de pilotagem e resultados no grande alemão. Wunderbar!

O, de Oval: Temos circuitos muito ruins na F1. Isso é fato. Não permitem ultrapassagens e a corrida vira uma procissão, uma romaria. Temos também circuitos de rua, circuitos no deserto, circuitos a noite, chiques, pobres, mal feitos, deslumbrantes. Mas nunca na história desse país da Fórmula 1 tivemos uma corrida em circuito oval. Os carros não suportariam a pressão aerodinâmica? Os pilotos não estariam preparados? Quais as implicações de se experimentar uma corrida num local tipicamente dominado pela Fórmula Indy? Eu gostaria de ver um Koba Mito, um Alonso, um Hamilton se virando em curvas de 90º de inclinação…

P, de Pit Stop: Nessa temporada as paradas nos boxes foram ultrarrápidas. O abastecimento não foi permitido e, portanto, o que restava era trocar pneu. Mesmo sendo a única coisa complexa a se fazer, muito engenheiro esqueceu de apertar as porcas e encaixar rodas de maneira decente. A mais rápida e eficaz foi a Red Bull. A Ferrari cometeu vários erros, mas o prêmio de melhor troca vai para Mercedes: no GP da Hungria não apertou a roda de Rosberg e quase causou um strike assassino na Williams + bônus por janela (!) quebrada.

Q, de Q1, Q2 e Q3: Bruno Senna e Di Grassi nunca passaram do Q1.

R, de Rubens Barrichello: Nosso bravo Rubinho por muitas vezes foi e é injustiçado. Tá certo que ele é meio azarado, mas não é mau piloto. Muito pelo contrário. Conhece o carro que tem como poucos. Trabalha muito mais que outros pilotos, não apenas na pista. Nessa temporada, arrancou muito mais do que sua Williams em desenvolvimento poderia dar. O ano que vem promete ser melhor. Pelo menos o dinheiro que seu novo companheiro de equipe trará deve ser suficiente para dar um carro minimamente competitivo. Barrica tem tanta moral na F1 que, entre outras coisas, é o Presidente da Associação de Pilotos da categoria. Tem que respeitar!

S, de Schummacher: “O alemão deve estar sentado em sua privada, descarregando as frustrações do dia e pensando de quem foi a brilhante ideia de interromper a aposentadoria”. Escrevi essa pérola no GP do Canadá. Na ocasião, nosso heptacampeão favorito havia sido ultrapassado por Buemi e sua Toro Rosso. Definitivamente foi uma temporada complicada. Parecia estar desenferrujando. Terminou o ano observando, em perigoso zoom, a roda de Liuzzi. Para o ano que vem, promete surpresas. O que será que Dick Vigarista vai aprontar?

T, de Todt: Ele assumiu a presidência da FIA ano passado. Ele namora uma atriz malaia. Ele tem poder. Só que na hora de fazer o que é certo, deixou o coração falar mais alto e quase comprometeu o campeonato. Uma vez provado com toda a telemetria e todos os rádios que houve o jogo de equipe na Ferrari, a função de “Jã” era punir exemplarmente a sua ex-escuderia. Perda dos pontos, suspensão, perda dos pontos E suspensão. Sei lá… qualquer coisa. Mas, como eu disse, il core rosso cantou e a pizza quentinha foi distribuída. Punição? ZERO. Ou você acha que algumas doletas a menos na conta bancária é castigo suficiente?

U, de Ultrapassagem: Não dá pra esquecer a ultrapassagem de Rubinho em cima de Schummacher no GP da Hungria. O muro ficou perto demais (ai ai ai ai ai), como vocês puderam notar no vídeo. Acho que foi a melhor da temporada. Se você lembrar de alguma, use e abuse da caixa de comentários!

V, de Vettel: Campeão mundial de F1 mais jovem de todos os tempos. Precisa de mais alguma coisa? Enquanto o mundo todo o elogia (com certa razão), serei um pouco mais duro. Na verdade precisa de mais. Revendo os posts desse blog, nota-se que ele é exímio piloto quando corre sozinho. Rápido e preciso. Já quando corre com um bico no retrovisor, ou com alguém a sua frente, sua tendência é falhar. O GP da Espanha foi o melhor exemplo disso. Ainda tem muito o que aprender, entretanto, com um título mundial no currículo, só um carro meia boca será capaz de segurá-lo.

W, de Webber: Pobre Canguru. Tomou porrada de todos os lados. Na Turquia, quando sua vitória era certa, teve o bico do carro danificado pelo próprio companheiro de equipe. Foi preterido pela escuderia, quando sua asa reserva foi dada à Vettel. Não contou com a tradicional preferência quando o campeonato parecia a seu favor. Foi regular durante toda a temporada e, na hora H, falhou miseravelmente, deixando o caminho livre para o alemãozinho. Renovará com a Red Bull? Encontrará um carro tão bom quanto o desse ano? Pobre Canguru…

X, de Xangai: Uma das melhores provas do campeonato. Teve de tudo: Alonso queimou a largada e foi punido. A chuva estava mais indecisa que mulher no primeiro encontro. Hora chovia, hora secava. Os boxes foram mais utilizados que os aqui de casa. Button teve nervos de aço e braço de ferro, manteve-se no sabão chinês mais tempos que os outros e por isso acabou vencendo a prova. Foi tão boa que teve até xis de Hamilton pra cima de um tal de Schummacher. Bruno Senna terminou a prova. Precisa de mais?

Y, de Yeongam: Enfiaram goela abaixo o circuito da Coreia do Sul. Inacabado, foi palco de uma corrida longuíssima. 3 horas aguentando o Galvão Bueno improvisar não é para qualquer um. Pior que isso (tem coisa pior que isso?) é constatar que aprovam um circuito sem as mínimas condições de drenagem e, por causa disso, pilotos profissionais ficaram com medo – e todos estressadinhos – por ter que correr na chuva. Terão muito, mas muito trabalho pela frente, se quiserem fazer um Grande Prêmio decente nos próximos anos.

Z, de zzzzzzz: Tá, tudo bem…. a F1 é fascinante. Estratégia, disputadas acirradas, rivalidades. Mas não dá para negar que algumas corridas deram sono. E não só porque eram transmitidas durante a madrugada. Procissões, desfiles, salão do automóvel… escolha o melhor apelido e tedie-se!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s