F1 2011: Shanghai, China

Por Frank Toogood

Ao contrário do que eu havia previsto no ano passado, estamos juntos em mais uma madrugada, para acompanhar as emoções (ou não) de mais um Grande Prêmio da China. Prometo que, durante esse texto, não vou utilizar o clichê “negócio da China”, ok?

A largada foi do jeito que eu gostaria que fosse: Vettel, com a ajudinha atrasada do KERS, não conseguiu sustentar a ponta. Portanto, essa era a hora de testar minha teoria, que diz que sozinho o alemão é gênio. No trânsito, tem muito o que aprender. Na frente, as duas McLaren, com Button e Hamilton. Massa largou bem e foi para cima de Alonso, conseguindo a ultrapassagem. It’s alive! It’s alive! diria o Dr. Frankenstein

Webber, depois de uma classificação lamentável, começava a lenta e divertida escalada. Schummacher largou bem, sempre na companhia de Kobayashi. Alô sonoplastia! Solta aquela música do Roberto pro Erasmo, sobre os amigos….

As Lotus voltaram a frequentar o meio do grid. No começo da prova, Petrov, que era o melhor da equipe, estava em 11º. Na volta 09, Perez, o mexicano, lembrou onde escondeu o pote de pimenta e ultrapassou Barrichello e Webber. Só que volta 48 fez barberagem, bateu e grudou em Sutil, acompanhando a Force Índia num passeio pela terra. F1 off-road.

Alguersuari parou no box na volta 10. Pouco depois de sair, a roda traseira esquerda, muito temperamental, decidiu que não era digna de estar no mesmo patamar de suas companheiras e abandonou a STR. Quis dar um abraço nos fotógrafos, mas como todo mundo saiu correndo, teve que se contentar com a grade. Pobre roda…

Na parada dos ponteiros, cena inusitada. Vettel usa a asa e ultrapassa Hamilton. Imediatamente depois, entra no box, logo atrás de Button. O inglês “deu a seta”, fez a manobra para a direita, entrou no meio dos mecânicos e…. epa… Aqui é a Red Bull. Errou a equipe! Assim que percebeu a cagada, deu uma acelerada e encostou na equipe certa. Mas aí já era tarde e Vettel passou dando tchauzinho…

Sai panaca! Sai daí mané!”

Depois das paradas, uma surpresa: Rosberg assumiu a ponta, com 5 segundos de vantagem sobre Vettel, o segundo. Vai seu Keke, pode sorrir de novo… “Nico, Nico rá rá rá“.

Volta 24. Alonso X Schummacher. O primeiro atacando e o segundo defendendo. No retão, era asa + KERS x KERS. Mesmo com toda a ânsia do espanhol, Schummacher – que não precisa provar mais nada pra ninguém – segurou a onda e fechou a porta. Após muita paciência e posicionamento, El Fodon fez uma bela manobra e surrupiou a posição do alemão. Não dá para sustentar a posição com esse negócio de diminuir o “arrasto” abrindo a tal da asa. Você consegue defender uma vez, mas chega uma hora que fica impossível…

Enquanto isso, o @gustavo_coelho tuitava uma importante informação: “Sei que isso não é relevante, mas Karthikeyan é o único que ainda não fez seu pit stop. Hispania inovando na estratégia!“. Anotado.

Na 32º volta, a situação era absolutamente estratégica. Quem tomaria a decisão de fazer apenas 2 paradas ou quem tentaria 3? Dos líderes, as McLarens optaram por ir ao box 3 vezes, bem como Rosberg. As Ferraris e Vettel apenas 2 vezes. Só que Alonso e Vettel deveriam aguentar 24 voltas com a borracha Mercure…

Na saída dos boxes, Massa cruzou uma faixa branca de segurança e NÃO tomou punição. O sábio Galvão avisa que lá pode, pois faz ainda faz parte do pitlane. Tá bom, então. Hamilton por outro lado, botou sua flecha de prata ao lado da flecha de prata de Button. Passou no braço, contornando a curva no limite. Manobra arriscada, que demonstra que a equipe ainda mantém a ideia de deixar o pau comer direitinho entre os ingleses. Para a nossa sorte.

Rosberg, com problemas críticos no freio, abandona qualquer possibilidade de ganhar a prova. Hora de parar de sorrir, Mr. Keke, não foi dessa vez. Hamilton passou por ele e atacou Felipe Massa. Algumas voltas depois, botou de lado e passou pelo brasileiro. O alvo agora é Vettel.

Volta 51. Hamilton colado em Vettel. Botou de uma lado, Vettel defende. Curva, Hamilton no outro lado, Fecha a porta Vettel. Segurou o alemão! Começa a 52… Pressão do inglês! No miolo da pista, Hamilton gruda, faz uma uma curva mais fechada, e passa… Liderança a 5 voltas no fim da prova!

Quando Vettel não corre sozinho, tem problemas. Não teve liberdade para abrir e se complicou. Teoria confirmada. Isso significa que…

PODE ESTOURAR O MUMM E LEVANTAR O TROFÉU! LEWIS HAMILTON E SUA MCLAREN VENCEM O GP DA CHINA!

Vettel termina em segundo e Webber é o terceiro. Pera aí…. Webber? Exatamente. Eu falei que a escalda ia ser divertida. E se tivesse mais algumas voltas, passava o companheiro de equipe. Mais um que pode ouvir um it’s alive!

Prêmio Bandeira Quadriculada: Não tem como não ser do Webber. Humilhado nas duas primeiras corridas, fez um qualify ridículo. Largou em 17º e correu como se fosse seu último GP. Mas Hamilton merece uma menção honrosa, já que saiu dos boxes faltando 30” para que se fechasse. Algum problema no motor quase o impediu de largar. Corrida corajosa, como nos velhos tempos.

Prêmio Vai pro box: Alonso se perdeu. Parece desconcentrado e tem perdido seguidamente para Massa. Como campeão do mundo, tem que parar e repensar estratégias. A Ferrari também não colabora, diga-se de passagem.

E o campeonato ficou assim: Vettel (68), Hamilton (47), Button (38), Webber (37), Alonso (26), Massa (24).

Próxima corrida: GP da Turquia, em 08 de maio.

2 pensamentos sobre “F1 2011: Shanghai, China

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s