Pérolas do Funcionalismo Público

Numa sexta feira, faltando três minutos para terminar o expediente, o telefone toca naquela repartição pública. Segue o diálogo verídico:

“Alô? É da Prefeitura?

“Sim, setor de IPTU.”

“Recebi uma carta da Prefeitura, me cobrando um valor absurdo. Tá errado isso aqui”.

“Venha até a Prefeitura na segunda feira. Traz a cartinha e aí eu vejo no sistema o que pode estar acontecendo. Por telefone fica difícil descobrir.”

“Não… vocês estão todos errados! Tão me cobrando um valor absurdo que eu já paguei… isso é um absurdo!”

“Tudo bem…Venha na segunda feira, traga os comprovantes de pagamento. Eu olho aqui no sistema e podemos resolver numa boa”.

“Não tenho os comprovantes…”

“Aí fica difícil, não é?”

“Fica difícil nada. Vocês tem que ter aí no sistema. É um roubo, uma ladroagem não ter no sistema. Não sabe usar o computador e dá nisso… Eu vou é na televisão denunciar.”

“Eu acho melhor a senh…”

*TELEFONE DESLIGADO NA FUÇA*

—–

Munícipe chega no guichê e anuncia: ” Vim pagar o INSSQN“.

——

Funcionário do guichê chama a próxima senha Preferencial. O portador da senha é um jovem homem de terno e óculos escuros. Funcionário avisa que o cidadão pegou a senha errada, que aquele número é só para Preferencial. Cidadão de terno e óculos escuros me sai com essa: “Mas eu sou Preferencial. Sou advogado“.

——

Uma mulher liga para o setor de atendimento às empresas e pergunta quanto está a Taxa de Licença. Funcionário responde que não tem o valor exato, já que não pode ler o Contrato Social e verificar os pontos que formam o cálculo da Taxa de Licença. Pede para trazer o contrato e restante da documentação necessária, para poder informar o valor correto. Mulher insiste, querendo uma estimativa, e tem a mesma resposta. Mulher resolve ser um pouco mais grossa, ainda insistindo. Funcionário então resolve o problema: “Olha moça…. a taxa vai estar entre 1 e 1.000 reais. Disso aí não passa“.  Mulher desliga.

—–

Contribuinte abre processo administrativo pedindo remissão de débitos de impostos porque está desempregado e com a mãe doente. Algumas semanas depois, uma das Secretarias envia ofício pedindo alguns documentos que comprovem os argumentos do pedido. Contribuinte responde que não tem tempo para disponibilizar a documentação.

—–

Outro contribuinte chega no guichê do setor de IPTU e anuncia: “Vim pagar o carnê“. Abre a bolsa e coloca no balcão o carnê… das Casas Bahia.

——

A qualquer momento voltaremos com mais Pérolas do Funcionalismo Público.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s