F1 2011: Yeongam, Coréia do Sul

Com o campeonato decidido e a taça nas mãos de Sebastian Vettel, não parece muito normal acordar (ou não dormir) para ver uma corrida com largada as 4 da manhã. Mas assim são os apaixonados por F1. 

No ano passado fomos obrigados a acompanhar uma maratona em função da chuva. Quer dizer… as inúmeras voltas atrás do Safety Car foram mais em função da precariedade do circuito do que da chuva, mas tudo bem. Coisa inacabada normalmente é uma porcaria.

Dessa vez a chuva não deu as caras. E quem também não apareceu na primeira vaga na primeira fila foi Vettel. Isso é… até as luzes se apagarem e uma largada carnavalesca iniciar-se. Todo mundo passou todo mundo, uma beleza. Vamos (tentar) organizar:

Vettel passou Hamilton. Webber passou Massa e Button, que caiu para sexto. o inglês também perdeu posição para Alonso, que, contrariando as expectativas, não passou Massa na primeira curva. Assim, ficamos com VET/HAM/WEB/MAS/ALO/BUT.

A melhor briga nesse começo de prova foi do trio Massa, Alonso, Button. O brasileiro segurou bem a pressão do espanhol e conseguiu um alívio. Aí foi a vez do inglês colocar o bico do carro no retrovisor do adversário. Muita pressão e nenhuma ultrapassagem.

Dessa vez os boxes foram interessantes. Button e Rosberg entraram coladinhos. A Mercedes fez um trabalho melhor e o alemão percorreu boa parte do caminho de saída com meio carro de diferença. Assim que foi possível desligar o controlador de velocidade, Rosberg deu uma estilingada e perdeu o traçado. Button passou por dentro da faixa e poderia ser punido.

No pitstop de Massa alguma coisa aconteceu. O Twitter oficial da Ferrari informou que a causa foi “tráfego no pitlane“. Tá bom, a gente acredita. O fato é que demoraram mais que o normal para trocar os pneus e o brasileiro perdeu posições. O de Alonso foi normal, mas que ele tomou um susto na saída do box, tomou. E dos grandes. Mas, também, não pode dar coisa boa quando dois carros decidem preencher o mesmo espaço, ao mesmo tempo.

Petrov esqueceu de tomar o rebite de caminhoneiro e acertou em cheio a traseira de Schummacher. Enquanto a Renault soltava “estrelinhas” pela parte inferior do chassi, a Mercedes passeava com a asa traseira toda torta. Dá para classificar a manobra do russo como a mais pura… barbeiragem. Ele SÓ esqueceu de fazer a curva.

Webber em terceiro me pareceu mais animado que o normal. Talvez alguma conversa no meio da semana tenha deixado nosso canguru voador um pouco mais tranquilo para pilotar. Tanto é que tomou uma ultrapassagem de Button, mas logo devolveu a gentileza.

Barrichello largou em 18º e terminou em 12º. Evolução, sem dúvida. Uma lástima a Williams estar nesse estado. Se evolução para eles é chegar em 12º, tem coisa MUITO errada aí.

Rosberg podia trabalhar na lanchonete aqui perto de casa, porque fritou pneu lindamente na freada da curva 3 (a mesma da batida do Petrov). Com isso, Massa e Alonso ultrapassaram. O espanhol, aliás, aproveitou o ensejo para pressionar o brasileiro, que segurou firme e fez o traçado defensivo corretamente. Foi preciso, nos dois sentidos da palavra. Pena que, no fim, a ultrapassagem tenha acontecido, mas nos boxes. Alonso passou na estratégia, ajudado pelo tráfego das carroças.

Eu só gostaria de citar a ultrapassagem dupla do mito Kobayashi sobre Ricciardo e Glock. Veio quieto atrás e no primeiro buraco, passou sem tomar conhecimento dos adversário. Muito mito.

Hamilton, sem pneus, segurou uma baita pressão do Webber, até ser chamado para os boxes. O australiano não se fez de rogado e foi atrás, trocando também os seus. A pressão continuou, resultando numa fácil ultrapass… opa! Olha o Hamilton dando o X. E dá-lhe bico da Red Bull colado na traseira da Mclaren. Mas uma hora Webber cansou e resolveu esperar uma oportunidade melhor.

Alguersuari chegou a ficar em segundo, uma mosca na sopa dos líderes. Grata surpresa da prova. Um feito para quem tem uma Toro Rosso e largou em 11º. Terminou em sétimo. Excelente corrida, mesmo assim.

Lembra da briga há dois parágrafos? Na volta 49, Webber passou Hamilton. E tomou o troco novamente. Já estou perdendo as contas.

Oh, sim, quase ia me esqucendo:

COMEMORA SEBASTIAN VETTEL! VOCÊ E SUA RED BULL VENCERAM O GP DA CORÉIA DO SUL! MAIS UM TROFÉU PRA DECORAR A CASA! O DÉCIMO DA TEMPORADA!

Hamilton em segundo. Conseguiu não ser punido dessa vez. Boa! Webber finaliza em terceiro. Pressionou, martelou e mostrou que está vivo. Massa foi o sexto, logo atrás de Alonso. É amigo. Não tá fácil não.

E a briga pelo vice-campeonato ficou assim: Button (222 pts), Alonso (212 pts), Webber (209 pts), Hamilton (196 pts).

Próxima corrida: Vamos inaugurar o circuito da Índia, em Nova Delhi, no dia 30 de outubro. Vai dar bruxaria adiantada?

2 pensamentos sobre “F1 2011: Yeongam, Coréia do Sul

    • Um dos grandes mistérios da humanidade. Como o esporte consegue mover as pessoas e fazê-las realizar coisas que nem elas mesmas acreditam ser possível?

      Obrigado pelas palavras. A temporada 2011 continua, e em 2012 teremos mais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s