Funciona: Triplique sua renda em pouco tempo e sem esforço!

Caixa Econômica Federal estima pagar R$ 170 milhões na Mega Sena da Virada

Carambolas flutuantes! Imagina só começar 2012, o último ano de nossa medíocre existência terrestre, com uma bolada desse tamanho na conta bancária? É muita coisa para fazer, coisas demais para comprar, possibilidades infinitas em um limitadíssimo espaço de tempo.

Pois é querido leitor. Ganhar dinheiro é quase um objetivo de vida. Ganhar dinheiro sem esforço é utopia. Mas tem gente que garante que é possível. Vou analisar o texto – porcamente traduzido, diga-se de passagem – que pulou na minha frente em um daquelas janelas irritantes que atrapalham a navegação nas interwebs da vida. O texto do cidadão estará em itálico. Minhas observações em negrito.

Começa assim:

Blog do dinheiro do Mike – Se o título é o anzol de um texto, esse já começa afiado. Como assim, blog do dinheiro?

Receba R$ 100/hora trabalhando online! Ninguem precisa comprar nada de você para que você receba o pagamento. Pagamento semanal. Você pode trabalhar no seu computador de casa. – Se você ainda não estava convencido, esse subtítulo não deixa duvidas: você precisa ler. Repare que a palavra pagamento é repetida 2 vezes, além do receba.

Como visto na Globo, Band, CNT e Folha – Cita-se veículos de comunicação aparentemente confiáveis… e a CNT. Link para as matérias? Não tem, claro. Mas isso é um mero detalhe. Poxa, apareceu na televisão. Tem que ser verdade!

Obrigado por visitar o meu site. Sou Micael Lopes de Cabreúva. Esta é minha história sobre como preencher um simples formulário online mudou minha vida. – Aqui o autor estabelece uma relação de confiança e cordialidade. Bandidos nunca são tão educado. Como um salafrário vai dizer o próprio nome e de onde fala? E a geração de expectativa continua…

Basicamente, eu realmente ganho cerca de R$ 8.500 a RS $ 10.000 por mês pela internet. Não é uma tonelada de dinheiro. Mas, uma quantia muito boa. Eu era capaz de substituir os rendimentos do meu trabalho anterior, trabalhando menos de 10 horas por semana no meu computador em casa – Esse parágrafo é chave. Repare na humildade e na simplicidade. Como é sutil esse “não é uma tonelada de dinheiro”. E é chave porque mostra que você não precisa se esforçar. Ele conseguiu com apenas 10 horas por semana, o que dá pouco mais de 1 hora/dia. Não é tudo o que você sempre quis?

Eu não estava interessado em oportunidades de negócio do tipo “fique rico do dia pra noite”,  esquema de pirâmide ou nada que tem a ver com marketing de rede. Você sabe, aqueles que querem que você tente vender coisas para seus amigos e familiares. Eu só queria uma forma legítima e honesta para eu ganhar através de casa uma renda extra. Estou aqui para espalhar isso. Espero que minha história possa inspirar você a experimentar o que eu descobri. Continue a ler… – Nesse parágrafo ele parece sincero e continua construindo a confiança. Ele compartilha um desejo que também é seu, não adianta negar. Quem é que confia nesses esquemas de internet? Quem não quer ganhar dinheiro de forma legítima e honesta?

Acima é um foto nossa da viagem que acabamos de fazer para os EUA enquanto estávamos sendo pagos. Eu descobri que você pode obter o mesmo kit que obtive…  mas de graça. Bem, na verdade você tem que pagar um pouquinho por algum custo de frete. – De fato, há uma foto de uma família feliz na Disney. Sucesso, viagem… tudo de graça! Opa, de graça não… tem um pequeno custo de frete. Bem, ele ao menos não tentou te enganar, né?

(…) Eu costumava trabalhar num banco. Aquele trabalho eu de fato gostava (…) Eu estava indo bem há uns 3-4 anos atrás. Então, como você sabe a indústria bancária teve uma queda enorme, juntamente com qualquer outra indústria e empregos disponíveis (…) Então eu peguei um trabalho com salário extremamente baixo como gerente de supermercado local (…) Minha esposa acabou perdendo  seu emprego e por isso tivemos que nos mudar de nosso pequeno apartamento para um apartamento  ainda menor – O parágrafo aqui é bem maior, tive que mutilar. Uma história de vida longa, cheia de altos e baixos. Exatamente como a SUA VIDA. No fim, a situação financeira fica complicada, coitado. Ele precisa achar uma solução. Repare que ele pressupõe que você sabe sobre a crise bancária, afinal, você não é burro, né?

Eu sempre vi ofertas na internet o tempo todo falando sobre alguma grande oportunidade de negócio (você também!). Sempre me perguntei se alguma daquelas coisas realmente já deu certo (olha só… você também!). Coisas que supostamente farão irão gerar milhões de dólares instantaneamente (não é?). Spam, e-mails maliciosos sobre enviar a alguém que está fora do país suas informações pessoais para que um presidente de um banco possa enviar-lhe $ 10 milhões de dólares na próxima semana, ações de uma empresa que você nunca ouviu falar que pode se tornar a próxima Microsoft, tentando levá-lo a vender qualquer coisa. Eu mesmo constantemente leio e-mails sobre o governo dando dinheiro de graça (então você não é o único, hein?). Como se o país de alguma forma fosse nos dar dinheiro a toa. Eu não tinha o dinheiro ou o tempo para desperdiçar com golpes e outras coisas que simplesmente não funcionam (é nessa hora que você pensa: “puta merda, esse cara pensa exatamente como eu!”).

Percebi que a melhor coisa a fazer é em vez de torcer para que a empresa que você está de olho ainda esteja lá no dia de amanhã, a melhor coisa a fazer é ir atrás de uma empresa grande e respeitável. Depois de olhar várias empresas diferentes, eu tinha uma que é real e legítima.  E aí, está preparado para saber o que eu descobri? Continue a ler – Repare que ele repete a expressão “a melhor coisa a fazer”. Pronto… a terra está arada, adubada e pronta para plantar a semente da tentação. Que rufem os tambores… Que soem os clarins!

Para fazer uma longa história curta (curta? hahahaha), o resultado é que dentro de quatro semanas, eu estava gerando em casa R$ 7.800 por mês. Tudo o que faço é gerir um pequeno site, o que o kit te ensina facilmente. Eu nem sequer tenho que vender nada. Você leu isso? Sim, realmente ninguém precisa comprar nada de você ou de mim. Basta administrar o site e seja pago. Como começar? – Depois de uma longa história, construindo confiança e te deixando curioso, ele vomita tudo num parágrafo só. Muita informação para assimilar. Um mês, 8 mil reais, sem vender e em casa!

Vá para este link (que eu obviamente não vou colocar aqui), preencha um formulário básico online e clique em enviar no kit. Pague apenas 3 reais (US$1.97) para a taxa de entrega – Outro parágrafo curto, com frases no imperativo. Você já está convencido. Agora é hora de agir…

Siga as instruções sobre o kit e configure uma conta. Em seguida, eles vão te dar os links do website para ser administrado. – Ok malandrão. Quem são eles? Que website? Administrado como? Não vai explicar nada?

Você vai começar a receber seu primeiro pagamento em cerca de 48 horas. Ou você pode tê-los diretamente depositados em sua conta corrente. (Seus primeiros pagamentos serão de cerca de R$ 800 a R$ 2.300 por semana. Depois vai aumentando daí. Depende de quantos sites você pôr online.) – Não, você não precisa de explicações. Você só precisa de vantagens. Quando você começa a pensar sobre os riscos, pimba! Dinheiro em 48 horas. Não dá nem pra respirar….

Você pode dizer “eu posso pagar apenas 1.97 dollares” para ter se tornado completamente  livre de dívidas e ter dinheiro no bolso? Sim! Você vê, eu estou apenas fazendo a minha parte e espalhando isso de modo que você não tenha que passar pelo que eu acabei passando. E acho que legitimamente você pode gerar entre R$ 8.500 a R$ 10.000 por mês trabalhando apenas algumas horas por dia postando links online.  O sistema realmente mostrou-me como. Então, basta fazê-lo. – Ele está fazendo apenas a parte dele, disseminando formas de ficar rico sem receber nada em troca. Claro, claro. O sistema mostrou como tirar vantagem. É dever dele ensinar os outros. É só postar links online. Opa, mas não era administrar site? Você administra postando link?

O texto acaba aqui. Mas a cereja do bolo são os… “comentários” no final. São 8 ao total. 4 confirmam a veracidade das informações e elogiam o sistema. 2 estão em dúvida se vão aceitar. Os outros 2 postam fotos dos cheques que receberam. Ninguém critica ou faz perguntas mais técnicas.

Você acha que acabou? Não! No rodapé há um player. Achei que era alguma música reflexiva, aquelas de fazer yoga, sabe? Mas não… era o barulho de uma CAIXA REGISTRADORA. Pessoal, I rest my case.

Agora você aprendeu como ficar rico em pouco tempo?

Profile dos fundos

Uh É Grace Kelly! Uh É Grace Kelly!

Em 1954, Alfredinho Braço de Pilão Alfred Hitchcock dirigiu um dos maiores injustiçados na história do Oscar: Janela Indiscreta não ganhou o prêmio dos “entendidos” da Academia mas merecia, bastante em função da simplicidade na construção do roteiro. Olha só que brilhante:

Nosso herói fotófrago quebrou a perna durante o serviço e como não havia nada melhor pra fazer em 1954 – nada melhor MESMO – passou os dias de molho observando a vizinhança, de uma posição privilegiada em seu apartamento. O calor de fazer o Capiroto implorar por ar condicionado facilitava o voyeurismo, já que as janelas, todas, viviam escancaradas. Não… ninguém se preocupava muito com ladrõezinhos pé de chinelo. Não vou contar mais para não estragar outras partes, até porque esse texto não é, necessariamente, uma resenha da película*.

Agora corta para 2011. Põe na tela, produção. Via de regra, vivemos fechados em nossos carros nem sempre blindados, em nossos apartamentos, casas, escritórios. Muros altos, cercas, persianas. Nosso mundinho particular, certo? Quase.

Ao mesmo tempo em que nos enclausuramos em lugares cada vez mais parecidos com o bunker do Paulo Coelho, arrombamos nossa intimidade nas redes sociais, (in)conscientemente. Essas são as janelas indiscretas do século XXI. Inclusive, o cidadão que não tem nada melhor pra fazer e fica vigiando o próximo (ainda que a perna esteja saudável) tem até nome: stalker.

É engraçado como, mesmo sem ver as brigas do casal, percebemos nitidamente que um relacionamento foi pro limbo. As fotos românticas desaparecem, as trocas de mensagem, quando muito, são… violentas e, principalmente, o status “relacionamento sério” muda para “livre, leve e a perigo na balada”.

Nada não. Eu só queria colocar a Grace Kelly novamente no texto

Sabemos como foi a viagem de férias, como estão as notas na escola, se o colega de trabalho tem bafo (informação relevantíssima, por sinal). Passamos a cuidar da vida do outro, num troca-troca quase promíscuo de informações. Nossos vizinhos já não olham exatamente para a nossa casa (ou o que daria para ver através de uma janela), mas para nossa vida. Não é demais?

Depois não adianta reclamar que programas como Big Brother Brasil são uma porcaria, perda de tempo, preguiça mental e outros argumentos utilizados até num poema (?). Todo mundo olha a grama do vizinho, a roupa do vizinho, a gordura da barriga do vizinho, se ele tem o carro do ano, se chega tarde em casa… Tudo isso é humano, irreversivelmente humano.

“Mas, tio Frank, se você está falando que é ruim e errado ficar se expondo assim nas redes sociais, porque tem blog, Twitter, Facebook, Skype..?” 

Não é bem isso. Não é errado e nem ruim. A minha opinião, que não vale nem uma cueca furada, é que as pessoas devem ter certeza do que estão expondo, para que nenhuma informação divulgada seja usada CONTRA elas – assim como no filme, diga-se de passagem.

De resto, meu querido leitor, minha nobre e especialmente cheirosa leitora… Tá tudo liberado! Inclusive me seguir no Twitter.

*Não adianta fazer resenha para Janela Indiscreta porque é um daqueles filmes que, se você ainda não assistiu, saiba que sua vida está bem menos completa. Falta um pedaço moral na sua existência de meia pataca.

Entrei para a História. Estou no Street View

Sou do tipo de pessoa que se contenta com pouco. É claro que não estamos falando de objetivos de vida (já que as minhas ambições são grandes), mas sou do tipo de pessoa que sabe dar valor às pequenas coisas, muitas vezes ignoradas. Cortar cabelo em uma barbearia de antigamente, conhecer histórias do povo (como o cara que cruzou Minas Gerais em 4 meses tocando 500 cabeças de gado), comer amoras diretamente do pé (de amora, claro).

Uma dessas coisas simples é entrar para a história. Ou melhor. Ter parte da família na história em função de uma empresa particularmente famosa. Explico:

Uma vez meu avô  falou que tinha “aparecido no computador“. Bem… isso é meio vago, né? Apesar do conhecimento em informática estar “numa crescendo” na terceira idade, ainda é maioria aqueles que ficam intimidados ao sentar em frente a um monitor, um teclado… Compreensível. Uma reflexão sobre tecnologia tem que assustar qualquer um, independente da idade.

O que ele queria dizer é que uma vizinha viu a imagem dele num site que tinha um mapa e fotos da rua. Na hora eu já captei o que ele tentava explicar a abri o Street View, do Google. E era verdade! Lá estava ele andando, de bermuda e chinelo, caminhando na calçada, com as mãos nas costas. Inacreditável…

Hoje descubro que a cidade que eu adotei como minha, aquela que ganhou meu coração, a querida Itatiba está totalmente (ou quase totalmente) fotografada com o carro dinâmico do mega conglomerado internético. Aí eu, estranhamente, fiquei feliz, orgulhoso. É uma daquelas bobas satisfações que já citei. É o mesmo sentimento que faz o jornal da cidade colocar na capa da edição de Domingo que “modelo itatibense faz figuração na novela das 8“. É dividir com o mundo o NOSSO mundo particular, nosso canto, nossa gente.

E qual é a primeira coisa besta que fazemos nessa situação? Quem pensou em procurar a própria casa, pode retirar o prêmio com a @lunaomi. Você sabe que a sua casa está lá. Se quiser vê-la, é só atravessar a rua e olhar. Mas não… você precisa ter certeza que ela também está na vitrine.

Como era previsível, vi meu lar, incrivelmente nítido. O carro estava estacionado na calçada, como de costume, e minha mãe estava na garagem. Epa! Cumé? Minha mãe estava na garagem?

DOUBLE ACHIEVEMENT UNLOCKED.

Ser fotografado pelo Street View é estar no lugar certo, na hora certa e, de preferência, fazendo alguma coisa que não te comprometa futuramente. O carro passa e você precisa estar preparado. Como se isso fosse realmente possível.

O próximo passo é procurar o local de trabalho. Ver se encontra algum colega dando bobeira no portão, comentar com o porteiro… enfim… ter assunto na manhã seguinte, na hora do café.

É nessa parte que eu solto toda a sorte de palavrões e impropérios indignos de um blog como esse, voltado para a família brasileira. Vocês já sabem o que aconteceu. O título denuncia tudo.

TRIPLE ACHIEVEMENT UNLOCKED.

Pequenos prazeres da vida. Inuteis. Tolos. Mas o que seria da vida sem eles?

Meus eleitos no Blog Day 2010

O Blog Day é uma iniciativa gringa para que os donos de blogs, doravante denominados blogueiros, digam aos seus leitores quais companheiros escrivinhadores (sic) são dignos de vossa leitura. A escolha é sempre muito difícil, já que o que não falta por aí é blog bom para se ler. Esse já é o terceiro ano que participo dessa data festiva e nunca me arrependi de ter indicado alguém para vocês. O que é um bom sinal, certo?

Blog Day 2010

Meu critério é escolher blogs que tenham estilos diferentes e, de preferência, sejam desconhecidos do grande público. Acho que o intuito dessa iniciativa não é indicar os chamados mega-blogs. Eles não precisam de mais visibilidade. Nós, os nano-blogs, é que devemos nos unir, porque só assim nossos pageviews aumentarão, dando suporte para as tão esperadas migalhas do adsense. Me empolguei?

Para saber mais sobre o Blog Day, sugiro que leia atentamente meus indicados no ano de 2009 e no ano de 2008

Após um conclave que durou 40 dias e 40 noites, reunido na masmorra do castelo de Windsor com os mais belos fantasmas que já vi e sendo alimentado com pão sírio e água mineral, esse desnutrido blogueiro decreta, no uso de suas atribuições, que os indicados no Blog Day 2010 são:

1) Esmaltices

Já que é para indicar um blogs diferentes, vamos começar quebrando a banca. Esmaltices é um projeto de 5 jovens mulheres com um gosto em comum: esmaltes. Como eu sei que tenho leitoras femininas, essa indicação será melhor aproveitada por elas. Isso não significa, claro, que você homem moderno, não possa entender dessas tintas que cobrem parcelas mínimas do corpo de sua amada. E ai de você se não notar se ela mudar a cor!

Novas tendências e marcas, cores da moda, técnicas de aplicação, experimentações e certezas. As vezes você fica apreensiva em usar tal cor de tal marca… well… talvez uma das meninas já tenha feito o trabalho sujo por você. Não custa dar uma vasculhada. Se você quer conhecer um pouco mais desse nicho (eu disse nicho, ok?), faça uma visita.

“Como prometido no post anterior, to aqui pra mostrar as comparações que fiz da coleção “Dança Comigo” da AH!

Vou começar pelo Salsa, que é um esmalte vermelho aberto, e eu não sei se vocês já perceberam mas em todas as coleções lançadas no mercado, sempre tem um vermelho, ou seja, é um esmalte muito fácil de ter vários iguais em marcas diferentes.

Agora um esmalte da coleção “Dança Comigo” que EU acho que não tem nenhum esmalte igual é o Samba. Um verde  escuro/claro,  não sou muito boa para descrever cores, rs”.

2) About:Blank

Se eu fosse uma ultra-jovem do sexo feminino, torceria pra nascer como Mariana Bellinote. Como não sou, me contento em ser Frank Toogood.  Seu blog é uma das maiores provas que a juventude tem futuro. Apesar da baixa frequencia nas postagens, o estilo é algo único, que me surpreendeu do desde o começo. Não tenho noção de como fui parar no About:Blank, mas sei que de lá não quero sair tão cedo.

Caso ela desista do blog, pode ter certeza que terá um espaço reservado nesse humilde antro de cultura, reflexão e baboseiras, não necessariamente em ordem proporcional.

Hoje eu vim aqui descrever uma bebida de losers. Porque só um loser compraria algo que se chama Cola Café Classic [Refrigerante Misto de Cola e Café] . Ou pessoas muito sem noção, como meu pai e meu irmão.

3) Rato de Biblioteca

Cristine Martin é tradutora e artesã. Mas não consigo ler seu blog sem associar intimamente a proteção e defesa dos animais. Essa mistura de livros, arte e cidadania não poderia resultar em outra coisa senão num espaço rico em informações. Nada do que você gastar dos seus preciosos minutos será desperdiçado. Por ser uma exímia leitora, sabe como poucos garimpar informações e transformá-las em textos que você fará questão de guardar em seus favoritos. Se eu fosse mais cara de pau, teria colado vários em meu blog sem dar créditos…

Um detalhe: Gostaria de saber ler tão bem quanto ela. E isso é mais profundo do que parece a primeira vista.

Você sabe o que significam as atitudes e ruídos do seu cão? Ele está tentando se comunicar por sons, gestos e linguagem corporal. Se bem que a Nina conversa mesmo com a gente, fica ‘cantando’ bwauaur… como se estivesse contando algo. Quando dizemos que o cão “só falta falar”, ele fala sim, nós é que ainda não entendemos…

4) José Luiz Teixeira

Apesar de José Luiz Teixeira ser jornalista profissional e não ter propriamente um blog, será indicado aqui. Suas colunas do Terra Magazine, todos os sábados, tem a proeza de falar de tudo: política, religião, comportamento, televisão, futebol… o que estiver em pauta no momento, pode ter certeza que será abordado.

O estilo é algo que eu prezo bastante e isso ele tem de sobra. Sempre tem uma sacada genial para colocar na coluna. Zé Luiz dosa seriedade com bom humor e isso torna o texto fácil de ler e gostoso de digerir. Leitura indispensável.

Sim, será preciso inventar algum dispositivo que nos proteja da mutilação pelos ladrões, pois, nesse caso poderia ocorrer, literalmente, o inverso do dito popular: ficarem os anéis e irem-se os dedos.

5) Color Screen

Conheço o Paulo desde os bons tempos da comunidade orkutiana Anti Video Show. Se ele me conhece é outra história, que não vem ao caso agora. É bom que eu indique o Color Screen agora, pois quando o blog e seu criador ficarem famosos, ele não vai ter tempo nem para coçar a cabeça. E mais cedo ou mais tarde algum peixe grande da blogosfera brasileira vai reconhecer o talento desse cidadão “formado em Comunicação, profissional de Cinema e TV e apaixonado por tudo que envolve essa área“.

Nostalgia parece uma palavra velha, mofada. Com o Color Screen ela veste nova roupagem, tornando-se viva. Sua memória será massageada, provocando sensações de alegria, surpresa, espanto e, porque não, a legítima emoção da infância. Afinal de contas, tudo fica mais legal numa tela colorida.

O projeto foi apresentado a Paul McCartney, Ringo Starr, George Harrison (ainda vivo na época) e a viúva de Lennon, Yoko Ono. Por conta de uma única opinião negativa (Mauricio nunca soube quem foi a pessoa contrária ao prosseguimento), o projeto não decolou, restando apenas como conceito.

Desafio #7links: O que seu blog tem de melhor?

Há certos momentos na vida que você tem que parar tudo o que está fazendo e refletir sobre o ontem, o hoje e o amanhã. Tecnicamente NÃO é esse o instante para esse blog “fechar para balanço“. Entretanto, devido a uma nefasta combinação de falta de criatividade  e sono, minha fábrica de ideias inteligentes e perspicazes está funcionando meio… mambembe, se assim podemos chamar a escassez de textos.

Sorte a minha (e azar de vocês) que a Cristine Martins e o Henderson Bariani resolveram postar esse desafio em seus respectivos blogs  – eles são os culpados, portanto. As instruções são simples: escolha os textos que se encaixem nas categorias descritas, faça uma explicação bonitinha e convincente e publique. É uma boa forma dos leitores conheceram o que o todo poderoso senhor do diário virtual pensa sobre sua obra.

E quem disse que é fácil realizar a tarefa? O resultado do meu esforço pode ser visto no singelo texto abaixo. Vocês vão gostar. Bom apetite.

1)      O primeiro post do meu blog
O primeiro post do meu blog foi uma verdadeira decepção. Eu não tinha a menor ideia do que esse espaço poderia se tornar e claramente subestimei não só o meu potencial como escriba (vá lá… eu tenho algum), como também a paciência de vocês ao acessar essas linhas tortas. Além, claro, do crescimento exponencial da internet. Ou seja… falhei miseravelmente na missão de escrever algo apresentável, que instigasse o leitor a continuar me acompanhando. Algo que prestasse, fosse digno. Enfim… se você quiser ler, divirta-se com o Nova Fase. Ou não.

Eu poderia arrumar e deixar tinindo. Ninguem ia perceber. Mas se a história foi construída assim, deixe estar. Vamos preservar o passado da forma como ele foi erigido.

2)      O post que mais gostei de escrever
Fácil. Acho que eu falo tantas vezes sobre esse assunto que vocês estão de saco cheio, mas vamos lá: Teleton 2009: na bancada. Sim! Eu estava lá! Escrevi aquelas frases em tempo real, na frente das câmeras, ao vivo e para todo o Brasil. Vi o primeiro milhão se materializar no placar eletrônico e, como eu sempre digo, vi a solidariedade do povo brasileiro tomar forma, cor, tamanho, cheiro, textura… Foi real. Muito real.

A intensidade daquela experiência nunca mais será esquecida. É  o tipo da coisa que marca tão fundo dentro de você que faz parte do todo. Por tudo o que eu vi, principalmente nos bastidores (e não falo apenas no sentido midiático) talvez tenha sido a experiência mais valiosa que eu já vivi. E isso não é pouca coisa. Indescritível? Não sei. Mas certamente nenhuma descrição ficará completa, por mais que se coloque adjetivos.

E eu juro que ainda arrepio e minha garganta fica apertada sempre que eu falo sobre isso…

3)      Um artigo que gerou um bom debate
Nessa categoria deu empate. Pelo lado cômico não há como não eleger “RBD: choro e muita festa“. Os fãs se revoltaram soltando um grau tão elevado de babaquices que não há como negar que os comentários são infinitamente melhores que o post em si. Até agora não consigo entender como é possível pensar, agir e defender daquele modo um pensamento tão vazio. Eu tentei argumentar, responder, ser amigão… só levei catiripapos.

Pensando pelo lado sério, “Testemunhas de Jeová: uma doutrina polêmica” rendeu debate. E dos bons. Apareceu gente defendendo os TJ’s, partidários daqueles que metem o pau nas religiões, gente ponderada e até um teosofista. Aprendi muita coisa, mas não seria verdadeiro dizer que mudei de ideia em relação a algumas atitudes que os Testemunhas de Jeová tomam. Lendo o texto e os comentários vocês entenderão muita sutilezas e os principais pontos de polêmica e, certamente, quebrarão preconceito que por ventura estejam incrustados. Melhor assim: quer criticar, odiar? Beleza… mas ao menos conheça aquilo que você critica.

4)      Um artigo de outro blog que eu gostaria de ter escrito, e do qual gostei muito
Essa categoria é interessante porque invoca aquele sentimento de “putz! Por que eu não pensei nisso antes?” Invoca também aquela invejinha e aquele comichão de simplesmente copiar, colar e dar o crédito, só pelo prazer de ver aquelas palavras tão bem selecionadas e organizadas enfeitando seu espaço na blogosfera. Eu leio muita gente e esse siricutico já aconteceu várias vezes. Entretanto, vou escolher Memento Mori: retratos da morte, da Cristine Martin do Rato de Biblioteca.

O tema é abissalmente curioso, as fotos são precisas ao ilustrar tudo o que é dito, o texto é informativo sem ser entediante, divertido sem ser displicente com um assunto que é sério, tem um tamanho adequado (não é muito curto e nem muito longo) e ainda nos dá um bom material para refletir e tirar as próprias conclusões. Resumindo: VOCÊ TEM QUE LER

5)      O meu artigo mais útil:
Sinceramente, não sei. Usarei as palavras do Henderson para definir essa situação: não tem nada muito útil por aqui. Mas já que eu tenho que votar em alguém, meu critério é afinidade, Bial. É um jogo… vocês sabem como é. Sem mais delongas, vou de Como NÃO usar um hashi. O texto ficou engraçadinho e, de fato, ensina a manusear os dois pauzinhos japoneses que você usa pra comer comida chinesa. Ou é ao contrário? Bom… tanto faz…

No texto há a descrição e também há fotos. Se você não entender um recurso, pode usar o outro. Se você não entender nenhum dos dois… bem vindo ao clube. Não… sacanagem. Se eu conseguiu usar os hashis com relativa perfeição, você também consegue.

6)      O post com o melhor título que já escrevi
Categoria difícil. Não porque eu tenha escrito inúmero posts com títulos geniais mas sim porque é muito pessoal. Eu posso achar que foi uma sacana que ninguém nunca mais fará igual e você pode argumentar dizendo que estava justamente comentando, naqueles termos, com um tio manguaçado/mamado/bebaça no churrasco de Domingo.

Todavia, creio que seja muito espirituoso de minha parte colocar a seguinte frase como título de um texto: “Ele matou Satanás e comeu sua CNH“. A princípio você não entende nada. Aí você pensa um pouco e confirma que entendeu todas as palavras e tem certeza que juntas elas continuam não fazendo o menor sentido. Aí você resolve separar alguns minutos do seu preciso tempo e lê os parágrafos destinados a explicar aquela maluquice. Pronto. Quase tudo faz sentido. Exceto o próprio texto.

7)      Qual o post que eu gostaria que as pessoas tivessem lido mais (tivessem dado maior importância):

Faço uma baita denúncia com proporções internacionais e ninguém dá bola. GENTE: UM BRASILEIRO PODERIA SER REI DA INGLATERRA e ninguém comenta? Tudo bem que eu não tenho fontes confiáveis nem provas concretas, mas mesmo assim era algo que deveria, ao menos gerar alguns comentários, nem que fossem me desacreditando ou ironizando. Vocês já imaginaram o baita incidente diplomático que poderia ocorrer se meu texto fosse parar nas mãos erradas?

Você realmente precisa de um celebro

Na semana passada redigi um texto que nasceu clássico. Em resumo, meu amigo Thiago deslizou no Português, criando uma nova parte do corpo humano: o celebro. Resolvi sacaneá-lo e ele não entendeu, criando assim uma série de réplicas e tréplicas que me deixaram com a impressão de a) Estou sendo feito de trouxa (ou trollado, como queiram) e b) haja inocência nesse mundo. Lendo o texto você entenderá melhor.

A repercusão foi excelente. Minha amiga Anna Clara foi enfática: Judiação!!! Já outra amiga, srta Vanessa Daniel, fez uma ponderação pertinente: “Quando ele descobrir ele virá com uma resposta do tipo ‘Ahá, te peguei trouxa !’ só pra se mostrar um pouco mais inteligente.” Por essas e por outras o show não podia parar. A continuação dessa epopéia você confere logo abaixo:

Thiago respondeu meu último desafio, que consistia em provar que o celebro ficava na cabeça. Afinal de contas, para mim, o celebro não fica dentro da cabeça. Aliás…. não fica em lugar algum.

por que o celebro nao pode fica em outro canto nao?o celebro vai ficar na barriga é? bm num tem como ele tem que ficar dentro da cabeça nao,e eu acho que é isso

Cá entre nós, tem muita gente por aí controlada pelo estômago. Se for refletir bem, temos pequenos cérebros espalhados pelo corpo, cada um comandando o todo em determinadas situações. Mas isso fica para outro texto. Era hora da minha resposta. E nada melhor do que provocar uma reação diferente no meu amigo:

Você tem razão…. Por que eu não pensei nisso antes? Pra falar a verdade, eu acho esse tal de celebro (que você diz que existe) muito inutil. Eu não preciso de celebro pra nada!

Ignorei a importância do cérebro (ou celebro, enfim), de forma bastante tola. Aproveitei o comentário para deixar um pouco mais claro para ele o motivo dessa brincadeira toda. Achei que dessa vez ele entenderia o recado. Mas é claro – para a nossa alegria – que ele não entendeu. A partir de então, desencadeei respostas curiosamente ríspidas e, de certo modo, impacientes.

HA é jura frank? voce nao precisa de celebro pra nada é? Se voce nao presisase de celebro voce nem saberia digitar e nem controlar essa vaca dessa bailarina,nao é? Voce tem certeza mesmo,que voce não precisa de celebro?

Mas afinal,se tu não tive celebro tu não saberia nem quanto é 2+2.

Dessa vez ele deixou a bola pingando e deu pra ouvir a pelota pedindo “me chuta! Me chuta” (eu disse chuta, ok?). Eu chutei. Incorporei o espírito Beavis and Butt-Head e mandei ver na resposta. É até meio óbvio o que eu deveria fazer. Tão óbvio que não tive como ignorar. Hora de, sutilmente, errar na conta:

Tenho certeza que não preciso de celebro.

E.. dãããããããã 2 + 2 = 5 né? Qualquer um sabe disso!

Do jeito que a coisa estava degringolando, eu previa uma reção um pouco explosiva por parte do nosso amigo (posso chamar de nosso amigo, certo?) Thiago. Eu tinha acabado de insultar a inteligência dele (e não… eu não estava insultando a inteligência dele esse tempo todo). Mas o que veio a seguir superou todas as expectativas:

Huuuuuuuuuuuuuuhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu,palmas para o frank ele sabe mesmo a matematica.Já que ele é tão inteligente assim vamos ver se ele sabe o ingle. which way the dancer is spinning. right or left. O que eu disse nessa duas frases em? sai dessa agora Albert Einsten.

Decidi não engolir essa ofensa. Como bem disse a Vanessa (@vadaniel), chamei pro fight. O inglês não está perfeito, mas ficou simpático. Peço que não liguem para meus erros. Sei que deve haver uns par deles por aí, mas paciência.

Sorry man…

Nice try. Actually, one of my favorite hobbies is to discuss issues related to all types of learning and Internet use by young generations, but I.Q tests. Bullshit

Answering your questions:

1) which way the dancer is spinning: right or left
A: Depends on the point of view. Depends on wich side of your brain you will active.

(…)

Escrevi mais coisas, mas o principal está aí acima. Provei para ele que em Matemática era uma negação, mas inglês eu me garantia. Depois que eu publiquei, bateu um certo arrependimento. Achei, sinceramente, que ele desistiria e nunca mais apareceria. Sentiria falta das risadinhas…. Mas ele é Joseph Climber brasileiro e não desiste nunca.

HOOOOOOOOOOO,ele sabe mesmo não é? Mas eu aposto que ele fez tudo isso usando o celebro minusculo que ele tem,nao foi frank? aposto que foi.

Será que você e Albert Eintein,será que voce nao morreu pra fazer todas essa coisas sem celebro é frank.

Dei sorte. Ele voltou. Hora de fazer as pazes, colocar-se numa posição inferior. Dar a outra face para a bofetada. Só não entendi o que Albert Einstein tem a ver com isso. Que seja. A estratégia agora era partir para base, para os fundamentos do celebro, que, no fim das contas, era o foco da nossa conversa. Foco que foi completamente dispersado.

Hahaha… poxa Tiago. Não precisa ser mau comigo. Eu sou apenas um rapaz latino americano cheio de dúvidas. Não tenho culpa que você é mais inteligente do que eu.

Afinal… o que é um celebro?

Com essa perguntinha marota eu esperava que ele me definisse o que para ele representava um celebro. Uma descrição detalhada? Apenas rabiscos superficiais? Nessa altura do campeonato eu deveria imaginar que do Thiago se pode esperar qualquer coisa. Qualquer coisa mesmo. Gerador de Improbabilidade Infinita ligado a toda capacidade.

Sabe que eu também nao sei comentem essas coisas ai sem nem eu tbm saber. que engraçado não é

É… falhou bonito. Só me restava tentar reascender a chama da discórdia, que tinha virado brasa….

Eu achei que você sabia. Pelo menos chute o que um celebro

Joguei a isca e ele mordeu…

Mas o resultado disso você só vai ver semana que vem. Quando o assunto é bom, temos que fazer render, né?

3 anos e 621 posts depois…

Start spreading the news… nada data de hoje encerra-se a temporada 2009/2010, disparadamente a melhor que este blog já teve. Tudo bem que não foram muitas, mas sem dúvidas, esse terceiro ano foi recheado de surpresas e conquistas que dificilmente serão batidas nos 365 dias que virão. A remuneração financeira ainda não veio, mas fica a certeza que nada paga tudo o que eu vivi no comando dessa espaço, no canto mais brega da blogosfera.

Posso começar justificando as palavras acima dizendo que ultrapassamos a marca de 392 mil visitas. É pouco, considerando que blogs muito mais novos (e melhores) que o meu atingem, sei lá… 50 mil visitas diárias, 100 mil visitas diárias. Por outro lado, é encorajador perceber que a média de público, que dificilmente ultrapassava as 400 visitas diárias, hoje já atinge 600, 700 com certa facilidade. O número de comentários, por sua vez, ultrapassou (recentemente) 4.000.

Esses números não significam nada quando aparecem assim, soltos. Contando com a poderosa aliança com meu Twitter (me siga por lá!), fiz novos amigos (um abraço a Luciana, do Batata Transgênica, a Cristiane, do Rato de Biblioteca e a Débora Capella, do Deh Reloaded) , reencontrei outros, reforcei laços com os antigos. Mais do que números, são nomes, pensamentos, experiências de vida, visões que só acrescentaram no meu modo de encarar o mundo. Agora sim eles tem um significado.

O ramo de conquistas pessoais foi o mais abastecido nesse período. Parece que todas as coisas legais, emocionantes e relevantes esperaram para acontecer nesses 12 meses. Por exemplo: Foram 3 encontros com artistas. Mas não qualquer artista. Tinha que ser alguém que representasse alguma coisa para mim e, como já estou ficando acostumado, sejam desconhecidos do grande público. O primeiro foi o José de Vasconcelos – o mais emocionante e filosoficamente profundo. Alguns meses depois encontrei com os jogadores do time de Masters do Corinthians e do Palmeiras. Por fim, troquei algumas palavras com o escritor e jornalista Zuenir Ventura. Encontro registrado na inédita foto abaixo.

Porra enquadramento!

Surpreendente mesmo foi um comentário que recebi em fins de setembro. Era a Mayara Jordana, jornalista do Diário da Manhã, da gravadora disfarçada de estado, de Goiânia. Ela queria que eu participasse de uma matéria que ela estava escrevendo sobre mentira. O convite foi motivado pelo texto “Minta e seja convincente em 7 passos“. Prontamente aceitei. Fiz um recorte com a parte que sou citado (já que a matéria foi de página inteira) e você pode ler com as letras num tamanho de gente clicando na imagem. Fiz também um post com a entrevista completa.

Por fim, o evento mais relevante desse período. A participação, tuitando e blogando ao vivo, do palco do Teleton 2009, foi a experiência mais intensa que já tive. Tudo estava acontecendo na hora, sem pausas, sem intervalos comerciais. Tanto na bancada quanto no lounge, vi muitas coisas engraçadas, impressionantes, emocionantes. Destaco, entre elas, acompanhar pertinho do placar a virada do primeiro milhão. Como escrevi na época, era a solidariedade se materializando na minha frente. Outro ponto que eu destaco quase um ano depois foi a logística armada para comportar aquela festa. Quem acompanha pela televisão talvez não tenha noção, mas são inúmeros profissionais trabalhando em diversas áreas completamente diferentes. Estruturas que vão muito além do palco e demandam muito mais que cérebros e braços…

Promessas

Virou tradição essa prestação de contas das promessas feitas ano passado. E também já é tradição que eu cumpra todas elas. Veja, por exemplo, a que dizia sobre “reforçar a presença do blog em Itatiba”. Demorei um pouco para encontrar a forma correta de fazer e acabei decidindo utilizar os Despachos de Sábado e Domingo. Nessa série eu posso falar, rapidamente, de vários assuntos que não precisam ter uma correlação. É espaço suficiente para criticar o que não está certo aqui em Itatiba e elogiar tudo aquilo que merece palavras de apoio. “Tiro no árvaro

Quis também inovar nos formatos. Pois é… aí foi mais complicado, mas consegui cumprir. O videocast do Teleton não ficou lá aquelas coisas. Puramente experimental e improvisado, inclusive a porcaria da câmera do celular. Esperem em comprar meu iPhone 3Gs e aí só precisaremos nos preocupar com a qualidade do apresentador do videocast…

Não sei o que prometer para esse ano. Minhas ambições com esse blog chegaram num nível tal que eu acabo arriscado a ser muito otimista ou subestimar as capacidades. Acho que o certo, nesse caso, é tentar manter tudo o que foi feito nesses 3 anos, ou seja, convidar mais pessoas para escrever esporadicamente aqui (como fizeram a talentosa Mariana Belinotte e o sagaz Dhiego Luigi), aumentar minha relevância em Itatiba, realizar outras matérias presenciais e ser mais ousado em novos formatos.

O quarto ano vai começar…

Eins, zwei, drei

Começou.