Entrefix: Tim Vickery

Dono de um tipíco bom humor ácido e refinado britânico. Esse é Tim Vickery. Jornalista, vive no Brasil desde 1994, onde é correspondente da BBC para futebol Sul-Americano. Em seu blog (http://www.bbc.co.uk/blogs/timvickery/)* tem a difícil tarefa de explicar todo o funcionamento do esporte mais popular do mundo e de outros esportes, abaixo da linha do Equador para os súditos da rainha. E convenhamos, fazer isso rodeado por Ricardo Teixeira e Carlos Arthur Nuzman, não é nada fácil.*2

Divulgação

 

Ideia Fix: Com o Brasil falando em ser a quinta economia do mundo a médio prazo, acredita que o país será ponto estratégico para o jornalismo estrangeiro, assim como é Londres?

Tim: Nem tanto, no médio prazo, por 2 motivos. Primeiro, porque a participação do Brasil na economia global ainda não é tão expressive – o que vem sustentando o processo é o mercado interno. E 2 – a crise em geral dos jornais (Brasil por enquanto se encontra na contra-mão) – manter correspondentes estrangeiros é caro, então a grande mídia usa as agências – um século atrás, os jornais ingleses publicaram muito mais notícias estrangeiras do que hoje em dia.

IF: Você deve ter realizado alguma pesquisa antes de viajar e se estabelecer aqui. O Brasil e a América Latina como um todo são tudo aquilo que os ingleses imaginam? Qual costume mais te impressionou em seus primeiros dias?

Tim: A realidade é muito diferente do mito, que é fascinante, porque dai surge a pergunta – de onde veio o mito? O que me supreendeu foi como o Rio é diferente da imagem que passa – especialmente em termos do mito de alegria – o meu irmão ja me visitou algumas vezes – ele mora na Ásia e já morou na África, então tem base para comparar – para ele o carioca é um tipo de ser que anda lentamente com expressão de dor!

Depois de tantos anos, cheguei a conclusão que o mito de alegria trata se de uma construção política – um ferramento usado durante o período Vargas na formação da nação, uma jogada para suavisar as diferencias sociais.

IF: A família mudou-se para cá junto com você ou veio depois? Gosta da cerveja brasileira?

Tim: Cheguei sozinho, sem emprego, sem nada. Para mim, tem que chegar sozinho numa coisa assim – ai no andamento peguei minha mulher e duas enteadas – e aprendi tantas coisas sobre Brasil com elas. Cerveja – larguei anos atrás.

IF: Agora um pouco sobre seu trabalho: Como explicar para o público inglês como funciona o futebol brasileiro, dentro e fora das quatro linhas?

Tim: Com dificuldade, porque em termos do futebol sul-Americano, o público de lá tem dois focos de interesse – as seleções, e os craques do futuro que vão para Europe – nesse abordagem, não tem espaço para o futebol doméstico. Entao, num blog como aquele da BBC, onde eu tenho a pressão para ser relevante para um público britânico, tenho que ralar um pouco. A última coluna analisa os campeonatos estaduais – ai, para colocar num contexto de relevância para a audiência, fiz uma comparação entre o futebol brasileiro e Inglaterra antes da Premier League. Ponto fundamental para qualquer escritor- para quem eu estou escrevendo?

IF: Segundo dados do Governo, nunca se investiu tanto em esporte. O orçamento do Ministério quadruplicou em 8 anos. Como os ingleses avaliam o potencial do Brasil nas Olimpíadas? É possível chegar entre os 10 primeiros no Quadro Geral?

Tim: Acho que não se desfruta as Olimpiadas assim. Deixou de ser uma festa coletiva. O Brasil vai acompanhar o desempenho dos brasileiros, na Inglaterra vai acompanhar o desempenho dos ingleses, e por ai vai. Fiquei pasmo com as primeiras Olimpiadas que vi aqui – a pista do atletismo, o centro da coisa, quase não apareceu – porque estava passando o vôlei ou coisa assim, onde o Brasil era forte.

IF: Quais conselhos você daria para quem pretende tornar-se correspondente?

Tim: Lembra sempre que o seu assunto é mais importante do que você, não aceita cegamente nenhum mito. Acima de tudo, ter sorte, porque nos tempos atuais nao é facil ganhar a vida com a palavra escrita.

1 – Com o Brasil falando em ser a quinta economia do mundo a médio prazo, acredita que o país será ponto estratégico para o jornalismo estrangeiro, assim como é Londres?

*Textos em inglês

*2 algumas imprecisões gramticais são fruto do teclado do entrevistado ou de uma simples confusão de idiomas